Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé
Logomarca da Fundação Telefónica Vivo

Fique por dentro

Conheça iniciativas que produzem conteúdos com um olhar atento para os locais onde estão inseridas e o compromisso de gerar impacto social positivo.

11 de março de 2020

O Brasil possui 13,6 milhões de pessoas morando em áreas periféricas, população que movimenta cerca de R$ 120 bilhões por ano. Os números divulgados pela pesquisa Economia das Favelas, realizada em 2019 pelos institutos DataFavela, Locomotiva e a Central Única de Favelas (CUFA), indicam que as favelas movimentam um volume de renda maior que 20 dos 27 estados brasileiros.

Mas será que essa representatividade se reflete nos espaços dedicados aos conteúdos para as periferias em grandes portais de notícias e comunicação?
De acordo com Amanda Rahra, cofundadora da Énois Conteúdo – uma agência de jornalismo criada na região do Capão Redondo, periferia de São Paulo – ainda falta um olhar mais aprofundado das mídias tradicionais para os territórios periféricos, o que fortalece a importância de veículos de comunicação locais, não apenas para as comunidades, mas para a cidade como um todo.

“Apenas um veículo inserido na realidade das periferias consegue captar os problemas e as soluções para essas pessoas”, acredita.

Além de produzir reportagens e conteúdos locais, a iniciativa, criada em 2009, tem um trabalho de formação com jovens. A Énois criou a primeira escola online de jornalismo do Brasil voltada ao público jovem e conta com mais de quatro mil alunos cadastrados. Para ela, é preciso fortalecer o jornalismo local, em termos de formação e financiamento, para que existam profissionais dedicados e aptos a criarem conteúdos relevantes.

“Manter veículos de comunicação com esse foco é muito importante porque ajuda a manter a diversidade no campo jornalístico. Os veículos tradicionais estão atentos a realidades mais nacionais e de pouca gente e não da maioria”, ressalta.

Além da Énois, diversas iniciativas espalhadas pelas cidades produzem conteúdos para as periferias. Destacamos oito agências de comunicação que valem a pena conhecer. Confira!

 

Agência Mural de Jornalismo das Periferias

Logo da Agência Mural

Criada em 2010, é uma agência de notícias, informação e inteligência sobre as periferias das cidades da Grande São Paulo. Mais de 100 “muralistas”, como são conhecidos os correspondentes locais, já passaram pelo site e o conteúdo é, em sua maioria, produzido por estudantes ou formados em comunicação interessados em contar o que se passa na região em que moram, em periferias da Grande São Paulo e imediações.

As notícias criadas no portal abordam diferentes temas como empreendedorismo, cultura, serviço e reportagens especiais que chamam atenção para a realidade das regiões periféricas da capital. O projeto pretende também contribuir, a partir do exercício do jornalismo profissional de boa qualidade, para atingir a meta 10 dos objetivos de desenvolvimento da ONU para 2030.

Periferia em Movimento

Logo da Periferia em Movimento

Uma produtora de Jornalismo de Quebrada que gera e distribui informação a partir do Extremo Sul de São Paulo (Grajaú, Parelheiros, Marsilac e Cidade Dutra). Foi fundada em 2009 e tem como missão “fazer um jornalismo sobre, para e a partir das periferias, em nossa complexidade, para ocupar espaços que sempre nos negaram e garantir o acesso a direitos”.

O portal conta também com um canal no Youtube, em que são produzidos vídeos com reportagens especiais, entrevistas com jovens moradores de regiões periféricas e especialistas em diferentes assuntos que estão em pauta na sociedade, além de reportagens em formato de documentário.

ANF – Agência de Notícias das Favelas

Logo da ANF – Agência de Notícias das Favelas

Fundada em janeiro de 2001, foi reconhecida pela Reuters como a primeira agência de notícias de favelas do mundo. A ANF, como é chamada, foi criada para atender a demanda da imprensa e da sociedade, que careciam de informações sobre que acontecia no contexto das favelas do Rio de Janeiro. Hoje, é instituída como uma ONG que leva adiante a luta pela democratização da informação da favela para o mundo, tendo como protagonistas seus próprios moradores.

A Agência de Notícias das Favelas dispõe de um site, mídias sociais e do jornal “A Voz da Favela”, maior impresso das favelas do país, com uma tiragem de 100 mil exemplares mensais, gratuitos – por meio de contribuição voluntária do leitor – circulando no estado do Rio de Janeiro e na cidade de Salvador, na Bahia. O portal conta com a colaboração de quinhentas pessoas que enviam seus artigos e matérias, promove o Encontro Latino-americano de Comunicação Comunitária e o Primeiro Prêmio ANF de Jornalismo, no Rio de Janeiro.

Nós, Mulheres da Periferia

Logo do Nós, Mulheres da Periferia

Um coletivo jornalístico independente formado por jornalistas moradoras de diferentes regiões periféricas da cidade de São Paulo. A principal diretriz do portal é disseminar conteúdos autorais produzidos por mulheres e a partir da perspectiva delas, tendo como fio condutor editorial o encontro de temas como gênero, educação, raça, classe, infância e território.

O site surgiu em 2014 com o objetivo de contribuir para a construção de narrativas jornalísticas mais humanas e contextualizadas. Em 2017, o destaque ficou pelo lançamento do documentário “Nós, Carolinas”, que narra as vivências de mulheres moradoras de quatro diferentes regiões periféricas da capital paulista.

Fala Roça

Logo do Fala Roça

O Fala Roça é um jornal impresso e online independente, feito por moradores da Rocinha, a maior favela do país com cerca de 70 mil habitantes, localizada na Zona Sul do município do Rio de Janeiro. Os exemplares são entregues de porta em porta desde 2012, devido ao fato da internet ainda não ser uma ferramenta acessível a toda a comunidade.

Com o avanço da tecnologia, o Fala Roça foi se remodelando e passou a produzir reportagens para a versão digital e vídeos de temas como política, obras, saúde, cultura, economia, esportes e oportunidades. A iniciativa tem como missão trazer um pouco da cultura nordestina, mostrando o quanto ela é presente dentro da periferia que reúne mais nordestinos na capital.

Desenrola e Não Me Enrola

Logo Desenrola e Não Me Enrola

Criado em 2013, o coletivo de comunicação atua na veiculação de informações sobre os fatos que acontecem nas periferias de São Paulo, buscando um olhar positivo nas reportagens escritas e nos vídeos que abordam temas como música, teatro, esporte, literatura e ações desenvolvidas por articuladores culturais das periferias.

A iniciativa conta ainda com um trabalho de formação. O Você Repórter da Periferia é um projeto de educomunicação voltado para jovens das periferias e alia a teoria e a prática do jornalismo comunitário e cultural. Diante da potencialidade do cenário cultural da periferia foi criado o Centro de Mídia e Comunicação Popular M’Boi Mirim, um espaço localizado no Jardim Ângela que abriga um escritório colaborativo, estúdio multimídia de fotografia e vídeo, auditório para palestras e workshops e a redação do portal Desenrola e Não Me Enrola.

Fala Manguinhos!

Logo do Fala Manguinhos!

O Fala Manguinhos! é uma agência de comunicação comunitária voltada para a produção de matérias e conteúdos em vídeo e fotos voltados às demandas do território de Manguinhos, bairro localizado na Zona Norte do Rio de Janeiro. Surgiu com o propósito de transformar pessoas e o território que está inserida por meio de seus projetos e em parceria com os moradores do Complexo de Manguinhos.

A página traz assuntos relacionados à educação, segurança e foca grande parte dos esforços em chamar atenção às necessidades dos moradores da região.

Énois ConteúdoLogo do Énois Conteúdo

A iniciativa surgiu a partir de um trabalho voluntário no Capão Redondo, na época conhecido como um dos bairros mais violentos da periferia paulistana. Trabalha com três eixos: Jornalismo Local, que atua com formações no território para fortalecer a rede de jornalistas das periferias de São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza e Recife; Gestão e estrutura jornalística, que trabalha para desenvolver o índice de diversidade das redações tradicionais; e Produção e distribuição, que produz as reportagens e cuida da distribuição de conteúdo a partir das demandas e das necessidades das comunidades.

Em 2014, a Énois foi selecionada pela revista americana GOOD como uma das 100 iniciativas globais que ajudam a empurrar o mundo para frente e pelo BID como uma das 16 startups mais inovadoras da América Latina.

 



#O que é empreendedorismo
#Habitação, cidade e infraestrutura
#Comunicação e liberdade de expressão
#Cultura
Comentários
Ver mais comentários

Você precisa estar logado para comentar