alt marcas
25 de outubro de 2017

Conheça o empreendedor por trás dessa ideia que já conta com 400 negócios cadastrados em 18 estados

No Brasil, 51% dos empreendedores são negros. É o que mostra uma publicação do Sebrae de outubro de 2016, baseada na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada entre 2001 e 2014. Segundo os dados do levantamento, houve um crescimento de 47% no número de donos de negócio negros no país durante o período, passando de 8,7 milhões para 12,8 milhões de pessoas.

São comerciantes e prestadores de serviço em geral, como artesãos e cabelereiros, que ainda vivem em situação de invisibilidade. Pensando em uma maneira de chamar a atenção para esse mercado, o jovem Vítor Coff Del Rey, de 32 anos, criou a plataforma Kilombu, que conecta produtores e consumidores afro-brasileiros. “Pesquisando na internet, percebi que havia uma grande quantidade de páginas e grupos no Facebook voltados para o afroempreendedorismo, mas sem nenhum tipo de interação e conexão entre elas”, conta.

A proposta é simples: unir empreendedores a consumidores interessados em utilizar os seus serviços ou produtos. Para participar, basta instalar o aplicativo gratuito disponível para Android, criar uma conta pessoal e cadastrar o negócio.

Como surgiu

Nascido em uma comunidade em Nova Iguaçu (RJ), Vítor iniciou seus estudos em Ciências Sociais pela Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, após conseguir uma bolsa pela Educafro

A convite de uma professora, o jovem começou a participar de um projeto no laboratório de práticas jurídicas da faculdade, que prestava consultoria gratuita a empreendedores de comunidades na região para ajudá-los a formalizarem os seus negócios. O jovem fazia a ponte entre os alunos e as pessoas da comunidade.

Dois anos e meio depois de trabalhar como voluntário, Vítor percebeu que o perfil dos empreendedores era parecido, e que, mesmo com todo potencial, a maioria não sabia como cuidar do seu próprio negócio.

O incômodo com a situação transformou-se em uma ideia. Em janeiro de 2016, o empreendedor convidou os colegas Kizzy Terra e Hallison Paz, ambos engenheiros de computação e mestres em matemática, para colocar o projeto em prática. Em fevereiro de 2016, o Kilombu já estava no ar.

Mais do que um aplicativo

Para contribuir com a qualificação profissional dos empreendedores e promover a sustentabilidade do negócio, o projeto oferece cursos de capacitação e aulas de como gerir o próprio negócio, por meio de parcerias com universidades. “Não adianta eles divulgarem os próprios negócios, se não tiverem conhecimento em áreas como marketing ou finanças para mantê-los”, afirma Vitor.

Após a chegada de novos integrantes, o projeto contará com mudanças que envolvem melhorias como a inserção de fotos, serviço de avaliação entre empreendedores e uma moeda digital própria para transações na plataforma.

“Queremos atrair empreendedores de todos os tipos, tamanhos e lugares, tornando-os ainda mais qualificados em suas áreas de atuação e promovendo uma maior igualdade de oportunidades”, conclui Vitor.

Pedimos ao Vítor que nos contasse seus principais aprendizados após tirar sua ideia empreendedora do papel. Confira as dicas!

“Submeta o que você faz para o olhar de outra pessoa e aceite as críticas, mesmo que doam. É daí que você pode extrair melhorias para o seu projeto”.

“Cuidado com excesso de otimismo. Seja realista e foque em objetivos de médio e longo prazo.”

“Trabalhe com uma equipe multidisciplinar e com pessoas com pontos de vista diferentes do seu.”

“Seja honesto consigo mesmo sobre suas reais motivações para fazer determinado projeto.”

“Busque o apoio de sua família e amigos. Se eles sonharem junto com você, fica mais fácil”



 

Notícias relacionadas

29 de novembro de 2017

Os caçadores de garrafas perdidas: casal transforma plástico em pranchas de surf

21 de novembro de 2017

Nova Zelândia é o 1º país do mundo a ter visto exclusivo para empreendedores sociais

25 de outubro de 2017

Colibrii: reaproveitar para criar e gerar impactos sociais positivos