alt marcas

No comando da Gastronomia Periférica, Edson Leite aposta na profissionalização dos moradores da periferia para gerar impacto e transformação social.

15 de maio de 2019

Foi meio por acaso que o paulistano Edson Leite, de 35 anos, entrou para o ramo da gastronomia. Saído da periferia Jardim São Luís, na zona sul de São Paulo, passou sete anos em Portugal, onde trabalhou como vendedor de listas telefônicas, garçom e lavador de pratos. Quando a vida lhe deu um desafio, ele rapidamente transformou em oportunidade.

Certo dia, a chef de cozinha do restaurante onde trabalhava como garçom faltou e Edson, na cara e na coragem, assumiu as panelas, não sem antes ligar para um amigo cozinheiro e pedir instruções para preparar os pratos.  A ousadia deu tão certo que ele mergulhou fundo na experiência e passou a chefiar cozinhas de hotéis, navios e até hospitais.

De volta ao Brasil, estava decidido a usar a gastronomia como motor de transformação social. No bairro onde cresceu, fundou a Gastronomia Periférica, uma escola totalmente gratuita, com foco na sustentabilidade e o objetivo de formar profissionais de cozinha que possam transformar a sua realidade e a da periferia onde vivem.

Fundada em 2012, começou como oficinas de gastronomia até se tornar escola, em 2017. Desde então, já foram mais de 40 alunos formados no curso de gastronomia e nas aulas de chocolataria e panificação. Em 2019, serão mais três turmas nas aulas de gastronomia e nos cursos de panificação.

Edson também lançou o livro Por que criei a Gastronomia Periférica (Editora Inova, 2018), que traz sua história de luta e dicas de receitas sustentáveis. É também organizador do festival Sabor da Quebrada, que visa promover a economia local. Ao Pense Grande, Edson Leite listou as quatro principais lições que apreendeu durante sua caminhada como empreendedor social. Veja a seguir:


Empreender tem a ver com autonomia e liberdade

Nas quebradas, naturalmente já somos empreendedores. Mas nunca fomos chamados assim, nem nos reconheciam dessa forma. Nossa autoestima foi ferida durante muito tempo, quando nos vendiam a ideia de que só coisas ruins saiam de lá. Na verdade, somos nós que fazemos tudo ser bom: somos mão de obra de grandes empresas, restaurantes, etc. Ainda estamos começando a nos reconhecer, mas já temos uma melhor ideia do que somos e pregamos isso em todas as quebradas para que a gente se fortaleça. Eu vejo o empreendedorismo como um ato de coragem. Toda pessoa é sua própria empresa e ser sua própria empresa é ter autonomia. Eu penso que assumir o empreendedorismo é decidir ser livre.”

 
Inspiração é muito potente na quebrada

“É como jogar uma pedra no rio e ver as ondulações ao redor. Num universo de 280 mil pessoas que é o Jardim São Luís, fazer uma escola de gastronomia já é um negócio impactante. Vejo a molecada mudando a relação com o alimento, querendo empreender, trazendo a mãe, a família para assistir e participar. Esse é o resultado real. A gastronomia periférica passou a ser uma nova categoria de cozinha. Existe gastronomia italiana, chinesa, japonesa, portuguesa, né? E por qual motivo não pode existir a Gastronomia Periférica?”


Tecnologia é aliada

“Nós criamos o aplicativo da Gastronomia Periférica, com mais de 70 dicas gastronômicas no Jardim São Luís, incluindo temakeria, hambúrguer artesanal, carrocinha de churros, de milho e de cuscuz e até aquela senhora que vende coxinha de galinha no terminal de ônibus do bairro! Hoje ele é aberto a todos os estabelecimentos periféricos que quiserem fazer parte. A visibilidade que o app trás faz com que as pessoas passem a conhecer e consumir dos comércios da região. Faz girar a economia local, gerando renda, criando empregos e trazendo mais profissionalização para os comércios, além de promover a diversidade cultural e o desenvolvimento humano.”


A parte técnica é fundamental, mas conseguir atingir os objetivos é o que mais motiva

“Durante a nossa caminhada, aprendemos que um bom planejamento e prospectar gastos e custos são pontos fundamentais para o crescimento do negócio. A gente começa a ver a coisa andar e sente muito orgulho. Quando fomos acelerados pela Aceleradora de Negócios de Impacto da Periferia (ANIP), fizemos estudos sobre o negócio e tivemos aulas com especialistas em impacto. Nesse momento, nós descobrimos que nosso negócio realmente causava impacto social e isso foi, sem dúvida, uma das maiores e melhores lições que aprendemos.”



 

Notícias relacionadas

11 de julho de 2019

“Mostrar o valor do impacto é o desafio”, diz criador do Clube da Preta

Imagem mostra um jovem de barba encostado em uma parede de tijolos mexendo no celular
27 de junho de 2019

10 perfis de empreendedorismo que você precisa seguir no Instagram

A imagem mostra o palestrante Thomaz Suarez durante sua apresentação no TED Talks.
13 de junho de 2019

8 palestras TED para dar um gás na criatividade