alt marcas
26 de março de 2019

O empreendimento Quebrada Produções mostra o trabalho, talento e beleza que existe dentro das comunidades

“Grandes produtoras costumam chegar nas periferias, procurar alguém influente do local para servir de “guia”, captar as imagens que acreditam refletir aquele espaço (casas precárias, pessoas carentes) e ir embora para nunca mais voltar”. Essa é a percepção de Renata Santos, a empreendedora que nasceu e mora em Paraisópolis (São Paulo), ao ver que a sua comunidade tinha muito mais a oferecer.

As periferias são mais do que o preconceito pode sugerir, explica a empreendedora. “Gosto de mostrar o lado bom. A minha comunidade é um cenário maravilhoso para várias produções, não só para aquela coisa taxada de ‘ah, é favela, vamos produzir só coisas relacionadas à favela’. Não, vamos produzir grandes comerciais, com cenários bonitos. O cenário de quem é de comunidade muda constantemente. É deslumbrante”, afirma a profissional de 39 anos.

Quando acompanhou uma equipe de filmagem do governo federal na comunidade, Renata identificou que seria importante ter o apoio de uma equipe local para participar de gravações como aquela, até pela proximidade com os moradores. Além disso, segundo Renata, seria a chance de gerar renda e desenvolvimento para a comunidade, revelando os talentos da favela. Assim surgiu a Quebrada Produções.

“Quando você tem uma produtora dentro da periferia, composta por pessoas dela, você faz a economia girar. Você não vai apenas “locar” uma rua ou laje. É assim que se descobrem grandes produtores, câmeras, roteiristas, diretores, fotógrafos”, conta Renata.

 

A imagem mostra a comunidade de Paraisópolis

A empreendedora revela também quais são os seus desafios e o seu principal objetivo com a empresa: gerar oportunidades para que as pessoas possam trilhar seus próprios caminhos. Confira a seguir!

Como surgiu a ideia da Quebrada Produções?

Renata Santos – A ideia surgiu a partir do primeiro trabalho que fiz, em 2010. Acompanhei um pessoal para locações de um comercial de urbanização, pois precisavam de alguém que conhecesse bem Paraisópolis. Foi um primeiro job grande dentro da comunidade e não havia uma equipe que ajudasse. A partir daí, surgiu a ideia da produtora. Em 2012, outro grande job mostrou que realmente era preciso ter uma equipe fixa para esse trabalho em Paraisópolis.

Como foi o começo e como a produtora está hoje?

Renata Santos – No começo era uma produtora de uma pessoa. Em 2018, oficializei a Quebrada Produções, e o espaço físico surgiu a partir do projeto Biografias Colaborativas. Recebi recursos por meio do projeto e estou melhorando o espaço para adequá-lo de um jeito que fique confortável aos clientes e continue sendo o espaço da Renata, para que as pessoas da comunidade não se sintam acanhadas de entrar.

É algo que prezo muito. Não imagino nem quero a produtora fora de Paraisópolis, quero que ela permaneça lá, pois foi onde começou. Quero que quem venha aqui se sinta bem para quebrar o preconceito sobre entrar em comunidade (ou só entrar para fazer uma gravação e ir embora). E também para quem é da comunidade se sentir em casa e não pensar que a produtora virou algo que não está ao alcance. É um espaço aberto no qual qualquer pessoa pode entrar e se sentir à vontade.

 

“Não imagino nem quero a produtora fora de Paraisópolis, quero que ela permaneça lá, pois foi onde começou”, afirma Renata.

 

Quais os desafios da Quebrada Produções?

Renata Santos – Todas as produtoras têm que ser 100%, mas eu tenho que ser 101%. Essa é a minha maior dificuldade, ter que me impor. Temos que executar não um bom trabalho, mas fazer um ótimo trabalho que, independentemente de sermos de comunidade, na segunda maior favela de São Paulo, seja tão bom quanto uma produtora de nome que esteja no mercado. Lógico que com as minhas limitações, como qualquer negócio que ainda está iniciando.

E por que é bom trabalhar nela?

Renata Santos – Posso dizer que não descobri a produção, mas a produção que me descobriu. Não imaginava fazer isso, mas fui fazendo, apareceu um job atrás do outro, fui gostando e me descobrindo. Gosto muito de estar envolvida e falo que nasci para ficar na coxia, fazendo as coisas acontecerem e as pessoas serem descobertas. Gosto de envolver toda a comunidade em todos os processos e mostrar o outro lado do local e das pessoas daqui.

O lado ruim a mídia já mostra, então gosto de mostrar o lado bom. A minha comunidade é um cenário maravilhoso para várias produções, não só para aquela coisa de “ah, é favela, vamos produzir só coisas relacionadas à favela”. Não! Vamos produzir grandes comerciais, com cenários bonitos. O cenário de quem é de comunidade muda constantemente, e isso é o mais legal de tudo. É deslumbrante!

Você é uma empreendedora jovem e periférica que viu uma boa oportunidade para resolver um problema do lugar onde mora, combatendo questões como o estigma, o uso da periferia de forma limitada e fazendo o dinheiro girar dentro da comunidade. Qual seu sentimento em relação a isso?

Renata Santos – Tem momentos em que ainda fico bem frustrada, acho que daria para fazer mais coisas. Entre uma produção e outra fico realizada, mas ainda estou em uma mistura de sentimentos. Quero abranger muito mais para que não se tenha trabalho apenas quando houver uma produção ou só conseguir produzir dentro de Paraisópolis.

O meu objetivo é lapidar as pessoas daqui para que trilhem caminhos, e também migrar para outras periferias de São Paulo. Em alguns aspectos, me sinto realizada, em outros acho que estou no caminho certo e em outros ainda tenho frustrações. Estou trilhando. Sei que ainda tenho muito para fazer e trazer para cá.

 

“O meu objetivo é lapidar as pessoas daqui para que trilhem caminhos”

 

O que outras pessoas, principalmente mulheres, negras e periféricas, podem fazer para atender às necessidades de seus locais por meio do empreendedorismo?

Renata Santos – É abrir a porta de casa, olhar em volta e pensar “o que eu posso fazer? O que dá para mudar e quais os meus recursos para isso?”. E é importante não parar diante das negativas, caras feias e vozes agressivas. Se você for empreender, vai encontrar muito disso e mesmo assim deve se levantar.

A partir das demandas que você vê no seu quintal dá para ver o que é possível mudar. Não é do dia para a noite, pode ser frustrante e desgastante. Acho até que, por ser mulher, cobram mais, para ver se ela desiste mais rápido. Mas mulher não desiste. Eu não me dou ao luxo de desistir, em nenhum aspecto.

Conheça mais histórias de vida de jovens empreendedores que transformaram seus projetos em realidade no podcast Pense Grande!



 

Notícias relacionadas

11 de julho de 2019

“Mostrar o valor do impacto é o desafio”, diz criador do Clube da Preta

Imagem mostra um jovem de barba encostado em uma parede de tijolos mexendo no celular
27 de junho de 2019

10 perfis de empreendedorismo que você precisa seguir no Instagram

A imagem mostra o palestrante Thomaz Suarez durante sua apresentação no TED Talks.
13 de junho de 2019

8 palestras TED para dar um gás na criatividade