alt marcas

Com oficinas, metodologia, incubação de negócios e produção de conteúdo, o programa celebra mais um ano inspirando jovens a empreender. Confira algumas histórias de quem teve a vida transformada pelo Pense Grande em 2018

14 de janeiro de 2019

O ano de 2018 foi de muito trabalho para os jovens que se engajam na jornada empreendedora. Isso porque não basta ter propósito e iniciativa. Tirar uma ideia do papel exige planejamento, estudo, elaboração de metas, organização e muita mão na massa. Seja com formação ou levando inspiração, o Programa Pense Grande da Fundação Telefônica Vivo também se mobilizou para apoiar aqueles que têm o sonho de mudar a comunidade com o desenvolvimento de negócios sociais.

Foram muitas novidades. Em setembro começou o Pense Grande.doc, uma parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura que traz 26 episódios com casos inspiradores de jovens empreendedores, como Jéssica Perereira, que tem Síndrome de Down e é dona e chef do Bellatucci Café, e Anna Beserra, cridora do dispositivo Aqualuz, que utiliza raios ultravioletas para limpar água e garantir o acesso à população de Valente, na Bahia. Até março, os episódios estão sendo exibidos às quintas-feiras, 22h15, no Canal Futura, além de ficar disponível no Youtube da Fundação Telefônica Vivo.

O Pense Grande em 2018

  • 300 beneficiários;
  • 47 escolas trabalham com a metodologia Pense Grande;
  • 2 Escolas Técnicas – ETECs –  e 7 Faculdades de Tecnologia – FATECs incorporaram a metodologia no currículo escolar;
  • 34 mil jovens sensibilizados na oficina Pense Grande Se Vira;
  • Parceria com o Programa Acessa Campos, do Governo do Estado de São Paulo, e com o Programa VAITEC, da Prefeitura de São Paulo;
  • Lançamento dos conteúdos Podcast Pense Grande e Pense Grande.doc.

Em outubro, foi a vez de lançar o Pense Grande Podcast, que trouxe histórias de vida, dicas e desabafos de jovens que passaram pela jornada empreendedora. Beatriz Santos, dona do empreendimento de controle financeiro Barkus Educacional, incubado pelo Pense Grande em 2017, teve sua jornada retratada no documentário e participou de um dos episódios do podcast.

“O documentário é inspirador, tem um ar nostálgico de um exemplo a ser seguido. Já o podcast é mais prático por trazer experiências reais de como funciona empreender, com dicas direcionadas”, conta a jovem, que se consolidou como Embaixadora de Engajamento do programa. “As duas iniciativas são muito importantes para ajudar jovens empreendedores porque elas unem o que a gente mais precisa: inspiração e dicas práticas. Às vezes, na jornada empreendedora, bate uma vontade de desistir porque as coisas ficam difíceis. Ver exemplos de jovens que fazem o mesmo corre que você e pegar dicas práticas ajuda a dar aquele gás”, diz.

Amadurecimento dos negócios

Em 2018, 15 empreendimentos foram incubados pelo Pense Grande. Entre eles, o TecLar, uma plataforma gameficada de inclusão digital para idosos criada pela recifense Aline Omar, de 27 anos, após perceber os apuros do pai, de 77 anos, na fila do banco para pagar contas simples.

Aline Omar, do projeto TecLar e Embaixadora de Oportunidades da Rede Pense Grande, está usando óculos, blusa preta de alça e sorri para a foto.

Aline diz que a participação no programa foi fundamental para ampliar sua visão dos negócios. “Estamos na reta final da incubação e até agora o Pense Grande nos ajudou a fazer o MPV (Mínimo Produto Viável), criar estratégias, elaborar plano de negócios e de marketing, além das mentorias e do apoio financeiro para tocarmos os negócios”.

O envolvimento foi tanto que a jovem se tornou Embaixadora de Oportunidades da Rede Pense Grande, atuando na divulgação de editais para empreendedores, além de conteúdos inspiradores e informativos.

 

Questão de oportunidade

É comum ouvir de empreendedores que o melhor momento para tirar a ideia do papel é agora. Mas, para quem está resistente ou mesmo inseguro, existem algumas maneiras de simular situações que podem aparecer pelo caminho. Um exemplo é o jogo Se Vira, que mescla conceitos de RPG com situações da vida real e  é um sucesso nas oficinas do Pense Grande.

O paulistano Marcos Dias Bonfim, de 19 anos, teve contato com o jogo há alguns meses na ESPRO – Ensino Social Profissionalizante, onde estuda administração. A participação foi determinante para que ele encontrasse caminhos para profissionalizar o empreendimento que tem com o sócio, Fabio Gonçalves da Silva, de 36 anos.

Desde 2016, eles mantém o Projeto Vila em Progresso, que prevê o acesso à educação, cultura e recreação para crianças e jovens de até 24 anos da Vila Progresso, comunidade de extrema vulnerabilidade social da zona leste de São Paulo. Através de doações, ações de voluntários e recursos próprios, o espaço oferece cursos de inglês, informática, programação, empreendedorismo, direitos humanos, reforço escolar, oficinas de autoconhecimento, reciclagem, fotografia, entre outros. Já são mais de 100 crianças e jovens atendidos.

“Nossa meta é sair da informalidade e arrumar novas parcerias. O Pense Grande nos mostrou o caminho para que nosso empreendimento se tornasse mais confiável”, relata Marcos.

Fabio complementa: “A participação no programa criou um desejo ainda mais forte de dar oportunidades às crianças e jovens, para que não fiquem em situação de rua e nem que sejam aliciados pelo tráfico, prostituição e outros males que rodeiam a comunidade. Sonhamos em ver nossos jovens perseguindo seus sonhos”.

Escola também é lugar de empreendedorismo

A ETEC Doutora Ruth Cardoso, em São Vicente, foi uma das que incorporou a metodologia Pense Grande na grade curricular dos segundos anos do Ensino Médio, com o objetivo de ajudar estudantes a desenvolver competências empreendedoras. A iniciativa foi um sucesso, com vantagens para a escola, que fortaleceu o relacionamento com os alunos, e para o engajamento de professores e alunos.

A diretora Kelly Renata Mariano da Silva Senne lista algumas mudanças percebidas após a inclusão da metodologia. “A capacidade de organização, tanto das atividades, do material, do tempo e da divisão de tarefas, foi bem perceptível. O trabalho coletivo e o respeito entre a turma também se intensificaram. Muitos estudantes melhoram a capacidade de expressão oral”. Ela também ressalta maior engajamento com as ações voluntárias que já são tradição na ETEC, como visita a lar de idosos e creches.

A professora da ETEC Irmã Agostina e vencedora do Demoday Formação de Professores do programa Pense Grande, Renata Borges, está usando blusa azul clara de mangas curtas, cabelos compridos soltos e sorrindo para a foto.

A professora Renata Borges, que leciona Gestão de Pessoas no curso de Administração da ETEC Irmã Agostina, de São José dos Campos, observa que jovens que participam de programas que fomentam empreendedorismo e inovação desenvolvem competências que os deixam mais preparados para a vida, como dinamismo, autoconhecimento e resiliência. “O Pense Grande oferece uma escolha que vai além do que está ali disponível no mercado de trabalho”, diz.

Por acreditar no potencial do ensino de empreendedorismo, ela resolveu participar do primeiro Demoday Formação de Professores, que aconteceu em dezembro de 2018 com o objetivo de mostrar como a cultura empreendedora também serve de inspiração para novas metodologias de ensino e aprendizagem. “Fiquei muito empolgada com a possibilidade de ter acesso a conteúdos atuais e que melhorem a minha atuação docente”.

O que ela não esperava era que seu projeto ficasse em primeiro lugar, dentre os 26 participantes. A proposta do empreendimento criado por ela, batizado de Espaço Zen, era oferecer ambientes confortáveis e acolhedores para alunos por meio da reutilização, reaproveitamento e reciclagem de materiais, como pufes feitos com pneus de carros.

Segundo a educadora, duas coisas foram determinantes para sua vitória: “A dedicação às oficinas, sempre relatando no diário de bordo o aprendizado das atividades propostas, e a humildade para aprender”, diz a professora.

“A maior vantagem de participar da iniciativa foi confirmar a percepção de que posso sempre aprender com meus alunos. Essa prática empática de me colocar no lugar deles, de pensar como eles se sentem quando participam de programas como esses, o que eles são capazes de realizar foi muito importante para o meu desenvolvimento pessoal e profissional”.

Mão na massa e engajamento

Se os professores tiveram o primeiro contato com o Demoday em 2018, os estudantes estão mais do que acostumados com o evento, que marca o encerramento do Pense Grande. A 5ª edição aconteceu em novembro, celebrando a participação dos dois mil jovens formados pela metodologia ao longo do ano nas ETECs e FATECs de São Paulo.

Na ocasião, os dez melhores empreendimentos foram selecionados entre 130 projetos para disputar o 1º lugar, que foi conquistado por alunos da ETEC Albert Einstein, da região norte de São Paulo. Criado por Beatriz Adas, de 16 anos, Júlio Rubio e Milleny Saud, de 15 anos, o EcoCrie é um aplicativo que ensina a criar brinquedos a partir de materiais recicláveis. O app também propõe maior tempo de qualidade entre pais e filhos, já que disponibiliza vídeos e oficinas de conscientização e cultura maker.

“Nós aprendemos muita coisa com o projeto, mas o principal foi resolver grandes problemas a partir de pequenos atos”, conta Milleny. “Essa é uma experiência que meus colegas e eu vamos levar para toda a vida. Cada etapa do processo do Pense Grande valeu muito a pena”, conclui a jovem, que após a participação no programa, considera virar empreendedora.



 

Notícias relacionadas

Jovens participantes do encontro Empreendedor do Pense Grande posam para foto em grupo em cima de um palco
28 de outubro de 2019

Encontro Empreendedor fortalece rede de jovens e troca de experiências

6 de setembro de 2019

Imersão Pense Grande: autoconhecimento e troca entre empreendedores

Imagem mostra um jovem de tranças, de braços erguidos, olhando para um celular que está em suas mãos
3 de setembro de 2019

Periferia em foco: quem empreende e transforma sua quebrada?