alt marcas

Tomada de decisões estratégicas, trabalho em equipe, ganho de autonomia e motivação em alta são alguns dos benefícios que uma análise sobre a percepção individual e coletiva pode trazer para o empreendedorismo social.

12 de maio de 2020

Muitos questionamentos surgem no início de uma jornada empreendedora. Qual é o melhor caminho para atingir os objetivos de um negócio social? Como devo me posicionar diante de um determinado obstáculo? Essas dúvidas fazem parte de uma reflexão que raramente é incentivada. Para respondê-las é essencial desenvolver um conjunto de habilidades socioemocionais que resultam de um processo de autoconhecimento.

“Conhecer a si mesmo e aos outros funciona como uma expansão da consciência. Através desse processo, o indivíduo acessa seus pontos fortes e aqueles a desenvolver. No caso dos empreendedores, o autoconhecimento ajuda na tomada de decisões estratégicas e no planejamento estruturado com base nas competências que ele já tem e nas que lhe faltam”, reforça Eliane Diniz, psicóloga e sócia-diretora da empresa de consultoria comportamental Interação Social.

Entre as competências comportamentais essenciais para resolver os problemas com inteligência emocional estão: comunicação, tomada de decisão, flexibilidade, persuasão, empatia, gestão do tempo e do estresse. Ao iniciar esse desenvolvimento, o empreendedor acessa ferramentas que farão a diferença tanto no âmbito profissional, quanto no pessoal. No que diz respeito a empreender, os benefícios impactam principalmente a produtividade e a motivação.

“Além de buscar ações mais assertivas, o autoconhecimento permite que o empreendedor evite o desperdício de recursos e a perda de tempo. Seus esforços estarão direcionados para pensar em uma comunicação mais efetiva e na forma de conectar pessoas com a causa e os objetivos de um negócio social”, complementa a consultora.

Para começar: refletir e analisar

O primeiro passo do processo é trabalhar com reflexões direcionadas para dois caminhos: o conhecimento individual e os objetivos do empreendimento.  Dessa forma, os empreendedores serão capazes de avaliar percepções internas e externas, entendendo onde elas se encontram ou desencontram.

Especialmente no caso dos empreendedores sociais, como o principal motivador é uma causa ou um público final, essas relações podem determinar os próximos passos.

“Quando o empreendedor se coloca nessa posição, ele vai direcionar suas competências e habilidades para gerar condições para que a mudança efetivamente aconteça na sociedade ou na comunidade”, afirma Norimar Tolotto, consultor em desenvolvimento humano e sócio-diretor da Interação Social.

Segundo o consultor, existem diversas ferramentas capazes de levar a uma análise mais aprofundada para as respostas das perguntas mencionadas acima. A mais comum, ágil e prática é a PDA ((Personal Development Analysis), que traça um perfil comportamental, identificando talentos, áreas a serem desenvolvidas, motivadores e maneiras de tomar decisões. Uma vez respondido o questionário, é gerado um relatório detalhado.

“Se o empreendedor está começando, ele pode iniciar uma reflexão sobre o tipo de negócio social que quer construir e o tipo de empreendedor ideal para fazê-lo funcionar. Lembrando que esse modelo ideal será uma persona. Ele pode listar as competências essenciais e comparar com as habilidades que já tem. A proximidade ou a distância da persona indica os caminhos que ele pode tomar”, aconselha Norimar.

 

Autoconhecimento, felicidade e produtividade

Além de ajudar no planejamento estratégico, o autoconhecimento também pode transformar as sensações relacionadas ao trabalho. Ao identificar a falta de uma competência essencial, os empreendedores podem encontrar parceiros e colaboradores que agreguem esses valores ao negócio. Isso cria uma dinâmica fluída que contribui para a produtividade.

“No início de uma jornada, obrigar-se a desempenhar bem uma habilidade que não domina fará com que o empreendedor sinta-se esgotado e gaste o dobro de energia. Sabendo administrar os pontos fortes e a melhorar, tanto os individuais quanto os da equipe, aumentam as chances de trabalhar mais feliz e motivado”, acrescenta Norimar.

Exercitar as habilidades socioemocionais está cada vez mais ligado ao futuro do trabalho. Autonomia para tomada de decisões, protagonismo e trabalho em equipe são alguns dos ganhos possíveis. De acordo com a consultora Eliane Diniz só mudamos quando tomamos consciência de que é isso é necessário.

“Diferente das gerações anteriores, que buscavam estabilidade e retorno financeiro, os jovens empreendedores são movidos pela paixão e pelo empenho em construir um mundo melhor. O autoconhecimento pode ajudá-los a descobrir como atingir essa transformação. E o melhor é saber que essa tomada de consciência pode ser feita a partir de qualquer ponto, com os recursos que estiverem disponíveis”, conclui.

Exercite o autoconhecimento com o Pense Grande Digital!

Uma das formas de exercitar o autoconhecimento é traçar um projeto de vida, que ajudará a estruturar e mobilizar as potencialidades do empreendedor durante sua jornada de crescimento.

Com uma proposta gamificada e lúdica, a formação Pense Grande Digital, da Fundação Telefônica Vivo, é voltada ao público jovem, a partir dos 15 anos, e tem como objetivo apoiá-los na construção desse repertório em empreendedorismo social.

Para acessar a formação online, basta fazer o download gratuitamente do aplicativo no smartphone e se cadastrar para iniciar as atividades. Os jovens ainda terão a oportunidade de interagir e se unir a outros participantes com competências diferentes e complementares as suas, mas com o mesmo desejo de mudar a realidade ao seu redor.

Baixe grátis o aplicativo do Pense Grande Digital, disponível em Android ou IOS e faça parte dessa jornada empreendedora!



 

Notícias relacionadas

Frame do jogo Illis
19 de junho de 2020

Estudantes desenvolvem jogo para alertar sobre feminicídio

Mulher jovem de cabelos encaracolados e brincos de argola está trabalhando montando um circuito elétrico para exemplificar a cultura maker, um dos exemplos de nova economia.
9 de junho de 2020

Nova economia: movimentos como a cultura maker transformam o empreendedorismo

Texto Alternativo Imagem mostra vários papeis coloridos amassados acima de um fundo branco e um deles, simula uma lâmpada
3 de junho de 2020

Empreendedorismo criativo: se jogue nessa ideia!