alt marcas
6 de fevereiro de 2019

Em bate-papo, a jovem mestranda e pesquisadora, Taís Oliveira, fala sobre oportunidades e afroempreendedorismo no Brasil.

Quando via de perto o esforço de sua mãe, envolvida em diferentes atividades para complementar a renda da família, Taís Oliveira, nascida no bairro Parque Santos Dumont, periferia de Guarulhos (SP), nem imaginava, mas estava dando seus primeiros passos rumo ao que mais tarde seria seu objeto de trabalho e até o tema de sua dissertação de Mestrado: o afroempreendedorismo.

Participando de cursos e atividades em um projeto social na cidade em que vivia, Guarulhos, Taís decidiu fazer a faculdade de Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas. O curso lhe abriu portas para se aprofundar em temas como o empreendedorismo negro.“Não só nos dias de hoje, mas em toda a história da população negra do Brasil, o maior desafio é lidar com o racismo”, garante Taís.

Aos 28 anos, ela é pesquisadora membra do NEAB (Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros) na Universidade Federal do ABC, mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais e cofundadora do blog Versátil RP.  Recentemente, Taís esteve em Portugal para participar do evento Smart Data Sprint, que reúne investigadores e estudantes de todo o mundo interessados em trabalhar com dados e métodos digitais.

O que dizem as pesquisas

O termo afroempreendedorismo é uma modalidade de negócios voltada à valorização do empreendedor negro como investidor em potencial e grande representante do mercado de negócios. De acordo com a última pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada pelo Sebrae em 2017, as pessoas negras são a maioria dos empreendedores do Brasil e movimentam mais de R$ 1 trilhão de reais por ano na economia, segundo o Instituto Locomotiva.

Driblando o desemprego, combatendo o racismo e a falta de oportunidades, o empreendedorismo se torna uma estratégia para escapar da crise e incentivar novos empresários a crescerem nesse mercado.

Na visão da especialista

Taís Oliveira teve um de seus artigos, Redes Sociais na Internet, Narrativas e a Economia Étnica: Breve estudo sobre a Feira Cultural Preta, publicado no livro Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais, que reúne textos de professores e pesquisadores que debatem métodos, identidades, política e mercado da Comunicação. A publicação está disponível para download gratuitamente neste link.

Batemos um papo com a Taís para conhecer um pouco mais de sua trajetória e saber sua visão sobre afroempreendedorismo, o uso das redes sociais como forma de comunicação, a participação das mulheres negras nesse contexto e outros temas. Confira!

 

Como os estudos sobre afroempreendedorismo surgiram na sua vida? 

 

 A jovem Taís Oliveira posa para foto

A pesquisadora Taís Oliveira

Taís Oliveira – Desde pequena acompanhei minha mãe, que é uma mulher negra, nordestina, empregada doméstica, em atividades paralelas que ela realizava para ganhar um dinheiro extra. Naquela época não entendíamos isso como empreendedorismo. Fui mantendo essa relação muito próxima com o tema. Trabalhei em agências de comunicação e sempre ofereci aulas para movimentos sociais e pessoas que não têm muito acesso. Nesse processo, conheci a Feminaria, uma casa para mulheres empreendedoras, onde ofereci muitos cursos de planejamento e comunicação. Me aproximei de movimentos como o Afro Business, a Feira Preta e a Black Rocks, onde sou mentora e ofereci cursos. Com isso, descobri que o afroempreendedorismo tem aspectos sociais que vão além das questões técnicas. Tem muito sobre racismo, identidade, estrutura social, questionar padrões de práticas. E consegui encaixar isso em uma teoria da sociologia do trabalho que é interessante para pensar na questão do grupo étnico.

 

O que te ajudou a iniciar sua trajetória?

Taís Oliveira – Consegui galgar alguns espaços porque sempre investi em blogs, mantive minhas redes sociais sempre ativas e tudo que aprendi e aprendo, tento compartilhar de alguma forma. Mantenho minhas apresentações abertas para acesso gratuito. O grande segredo é compartilhar conteúdo de qualidade e empreender em aspectos que não necessariamente estejam ligados a ganhar dinheiro. Essa troca de informações e conhecer pessoas também são elementos importantes na carreira.

Qual a essência do termo afroempreendedorismo?

Taís Oliveira – O conceito de empreendedorismo está próximo de questões administrativas, de finanças, gerenciamento em torno de negócios, etc. Isso tudo também existe quando estamos falando de afroempreendedorismo, mas as questões sociais relacionadas a ser negro no Brasil e em outros países também está em voga quando relacionamos ao tema. Por exemplo, em eventos, sempre está prevista uma discussão sobre racismo, educação, mercado de trabalho de maneira geral. Os grupos e movimentos sobre afroempreendedorismo estão conectados a movimentos sociais debatendo política, se posicionando de uma forma mais clara e objetiva. Então, o afro vai além de questões técnicas e financeiras. Não é só promover o lucro, mas também uma reflexão importante sobre pautas sociais.

Quais os maiores desafios para os empreendedores negros?

Taís Oliveira – Não só nos dias de hoje, mas em toda a história da população negra do Brasil, o maior desafio é lidar com o racismo. E é um racismo estrutural. Parte desses empreendedores estão nessa função porque não tem um emprego formal ou porque sofreram algum tipo de preconceito em empresas. Um dos desafios, já a respeito da prática em si, é a questão do financiamento. O professor Marcelo Paixão tem uma pesquisa que fala do acesso ao microcrédito. Ele mostra como a pessoa negra que busca crédito é barrada já na porta do banco. A questão de encontrar financiamento é um problema. E sem esse dinheiro inicial, é difícil empreender, em muitos casos. A questão do racismo é bem presente nesse tópico.

O afroempreendedorismo pode ser classificado como um movimento de consumo consciente?

Taís Oliveira – Sim. Inclusive, há movimentos como “Se eu não me vejo, não me compro” ou o “Só compro do pequeno”. E isso é muito aplicado dentro do afroempreendedorismo: consumir produtos e serviços de empreendedores negros. E isso tudo tem ganhado uma proporção grande. Eles mesmo fazem um esquema de comprar entre si e garantem que não vai haver mão de obra escrava, que vão ajudar uma família negra a prosperar, por exemplo.

Como a internet e as redes sociais podem contribuir com o afroempreendedorismo?

Taís Oliveira – As redes sociais possibilitaram o encontro dessas comunidades de afroempreendedores sem a necessidade de uma proximidade geográfica. Quem está em São Paulo pode trocar ideias e consumir produtos do Vale do Dendê, de Salvador, por exemplo. E até mesmo de movimentos fora do país. Isso, na verdade, segue uma tendência. As comunidades negras sempre se encontraram, especialmente as comunidades diaspóricas, um movimento de se aglomerar desde os quilombos. E chamamos esse movimento de quilombo digital, onde nos encontramos de alguma forma para promover o bem-estar da comunidade.

Na comparação salarial, os negros continuam ganhando menos e têm escolaridade inferior aos brancos. Como você analisa esse cenário?

Taís Oliveira – Isso é resultado de um período escravocrata no Brasil e de um racismo estruturado com políticas. Os negros não tiveram acesso à educação, a ferramentas de cultura, saúde. O resultado dessa disparidade é resultado ainda de um regime escravocrata. Temos menos de 200 anos de um país livre de fato. E a questão da violência é muito presente. As pessoas negras morrem mais e estudam menos. Hoje, mesmo que esse pequeno aumento do movimento afroempreendedor tenha seu pé calcado nas políticas de ação afirmativa, tanto de educação quanto de setor público, por exemplo, o poder acaba ficando ainda com quem define os salários.

E ainda segundo pesquisas, a maioria das pessoas negras que empreendem, são mulheres. A que você credita esse cenário? 

Taís Oliveira – Isso é uma resultante ao extermínio da população negra. A fonte acaba sendo a mesma que envolve o racismo. A diferença é que o homem negro morre mais. E as mulheres precisam então chefiar as suas famílias. Em consequência disso, arranjam alternativas para ganhar dinheiro extra. Também existe uma conexão de que as mulheres negras estudam mais que os homens negros.

Você acredita que a escola pode contribuir de alguma com o estimulo ao afroempreendedorismo?

Taís Oliveira – A escola pode mobilizar os alunos de forma geral sobre o tema empreendedorismo, empreendedorismo social, inovação. O afroempreendedorismo está relacionado a Lei 10.639, que estimula o ensino de estudo da África e de questões relacionadas a raça nas escolas. A escola pode ser uma importante ferramenta para isso. Mas o cenário é bem pessimista nesse sentido. Nem o básico da lei é aplicado hoje. Para chegar no patamar de ensino seria uma questão a mais de discussão hoje em dia.

Você tem alguma dica para as pessoas negras que querem empreender e enfrentam dificuldades?

Taís Oliveira – A primeira coisa a ser feita é saber onde se quer chegar e traçar um caminho para esse objetivo. Com esse desenho bem traçado, é possível visualizar em uma pequena escala a trajetória. Isso ajuda a descomplicar. E buscar capacitação técnica. Entender em quais áreas você precisa desenvolver habilidades para compor o seu negócio: administração, marketing, por exemplo. E desenvolver uma boa rede de apoio, não só entre familiares e amigos, mas com outros empreendedores negros que já estão em um nível de satisfação com o projeto.



 

Notícias relacionadas

26 de março de 2019

Produtora de Paraisópolis (SP) traz a potência da periferia para o audiovisual

A imagem mostra uma cena do filme o Menino que descobriu o vento
15 de março de 2019

11 séries e filmes inspiradores sobre empreendedorismo

Jovem está em pé e olhando para o horizonte, usando dispositivo feito com materiais recicláveis para assistir a vídeos 360° por meio de um celular, um exemplo de gambiarra que ajuda a explicar o termo Mecnologia.
8 de março de 2019

Conheça a mecnologia, a ciência que emerge da periferia