alt marcas

Facilidade na abertura de empresa e um mercado reduzido fazem da Nova Zelândia o sonho de quem quer incubar projetos e testar ideias

21 de novembro de 2017

A Nova Zelândia, com população de 4,6 milhões de habitantes, menor que a da cidade de São Paulo, foi o primeiro país a criar um visto exclusivo para empreendedores sociais – o Global Impact Visa (GIVs). A iniciativa inédita, colocada em prática neste ano, reforçou a vocação do lugar como um dos melhores para empreender no mundo.

Na terra dos kiwis, como são conhecidos os neozelandeses, o tempo médio para se abrir uma empresa é de um dia, e o processo pode ser feito inteiramente online, com todos os impostos e trâmites detalhados para facilitar a vida de quem preenche.

Possibilidades

Para atrair cada vez mais empreendedores de diversas partes do mundo, além do visto, foi criada também a bolsa Edmund Hillary Fellowship. Ela oferece um programa de até três anos para empreendedores desenvolverem seus protótipos sociais na Nova Zelândia. “No país, existe uma cultura de colaboração grande e um mercado pequeno, o que o torna uma nação ideal para incubar novas ideias”, explica a empreendedora brasileira Sandra Chemin, que mora há quatro anos no país da Oceania. Ela trabalha na Enspiral, uma rede internacional de colaboradores voltada para o desenvolvimento de ideias de transformação social.

O critério de seleção mais importante é o impacto: o empreendedor deve ter uma ideia de alto impacto global e mostrar que é capaz de gerenciá-la tanto no nível técnico quanto de manutenção. A cada semestre, 50 empreendedores podem se candidatar.

Como também é embaixadora do Edmund Hillary Fellowship, Sandra está a caminho do Brasil, para conhecer alguns empreendedores e empreendedoras que desejam se inscrever. E está animada!  “O empreendedor brasileiro está entre os mais criativos do mundo. Por não contar com apoio para a abertura de empresa, enfrentar burocracia e ter poucas fontes de investimento público, ele constantemente precisa reinventar o seu negócio para que ele sobreviva. Vai ser incrível contar com brasileiros no time de empreendedores que querem mudar o mundo!”



 

Notícias relacionadas

Nina Silva, fundadora do Black Money e uma das 20 mulheres mais poderosas do Brasil, aparece sorrindo, de coque e com um microfone no palco de uma palestra.
29 de agosto de 2019

Conheça Nina Silva, uma das 20 mulheres mais poderosas do Brasil

11 de julho de 2019

“Mostrar o valor do impacto é o desafio”, diz criador do Clube da Preta

Imagem mostra um jovem de barba encostado em uma parede de tijolos mexendo no celular
27 de junho de 2019

10 perfis de empreendedorismo que você precisa seguir no Instagram