alt marcas

Cultura hacker, gambiologia, economia criativa, além da cultura maker, são alguns modelos que usam recursos como tecnologia para a transformação social

9 de junho de 2020

Com o surgimento da internet e o desenvolvimento de novas tecnologias, o conceito de empreendedorismo também passou a ganhar novos contornos. No século XXI, inovar significa romper velhas estruturas, incentivar lideranças colaborativas, trilhar o caminho da sustentabilidade e da valorização da criatividade nos negócios.

“Inovação disruptiva se opõe ao conceito de inovação incremental. Inovação incremental é melhorar o que já existe. Já a disruptiva, é desenvolver algo que não existe e trazer ao mercado uma proposta de valor completamente nova”, explica Adriano Silva, fundador da The Factory e publisher do Projeto Draft.

De acordo com a concepção defendida pela plataforma, que traz conteúdos relacionados à expansão da inovação disruptiva, o empreendedorismo brasileiro segue uma nova economia, muito influenciada pela revolução digital e que se opõe à mentalidade industrial.

Parte desse ecossistema, movimentos como cultura maker, economia criativa, cultura hacker e gambiologia se apresentam como soluções criativas para ampliar possibilidades e ações de impacto. Entenda como cada um deles se relaciona com o empreendedorismo e aponta caminhos para o cenário de transformação social.

Cultura Maker

A cultura maker se tornou um assunto muito comentado pelos brasileiros. A lógica do “faça você mesmo” se torna mais acessível à medida que novas tecnologias transformam a criação. Modificar, sobrepor, consertar e produzir utilizando os recursos disponíveis é o grande propósito dos chamados makers.

Muitas escolas põem a mão na massa e têm incorporado essa prática para incentivar o desenvolvimento da criatividade, a resolução de problemas, o trabalho colaborativo e, consequentemente, o espírito empreendedor entre os jovens. Fernanda Tosta, educadora e designer de produtos, enxerga a relação entre o empreendedorismo e a cultura maker para além do retorno profissional.

“Vejo o movimento maker como um grupo de pessoas que tem como linguagem o pensamento computacional, o compartilhamento de conhecimento e uma moeda que não necessariamente é o dinheiro, mas sim um conjunto de habilidades que estabelecem trocas e relações, comerciais ou não”, conta no episódio Cultura maker e empreendedorismo social: o que tem a ver? , do Pense Grande Podcast.

A designer goiana veio para São Paulo em 2013 e, desde então, passou a desenvolver oficinas de marcenaria. Focando no protagonismo de jovens, cada participante envolve-se em projetos colaborativos e utiliza metodologias como design thinking e prototipagem para aprender na prática. Um dos propósitos é repensar a forma de gerar renda.

Gambiologia

Parceira da cultura maker, a gambiologia nasce como um movimento inspirado na tradição da “gambiarra”, ligada ao improviso, à inventividade e à praticidade. É relacionado a reciclar produtos, expressões e até mesmo modelos de negócios.

“Tem muito a ver com ensinar as pessoas a verem os materiais ao redor, de onde eles vêm e para onde podem ir. Ser gambiólogo é retomar nossa potência de diálogo com um mundo de forma material, humana e tátil”, explica o especialista Fred Paulino, em entrevista à Fundação Telefônica Vivo.

A startup Vivenda, criada em 2013, incorporou o conceito de gambiarra no modelo de negócios. A ideia não é construir novas casas, mas sim ressignificar espaços para que ofereçam condições adequadas de saneamento e moradia. O administrador Fernando Assad reuniu os moradores do Jardim Ibirapuera, em São Paulo, para entender suas maiores necessidades, o quanto gastavam em reformas e como costumam realizá-las.

“Quando se fala de resolver o problema de habitação, a sugestão que surge primeiro é a de construir novas casas. Mas estima-se que cerca de 12 milhões de moradias sejam inadequadas. São 40 milhões de brasileiros que moram em condições insalubres”, comenta o empreendedor sobre a proposta do programa.

Observando que os moradores de bairros periféricos gastavam além do necessário com materiais, decidiu estruturar kits de reforma por cômodo a preços mais acessíveis. A reforma é mais rápida e a entrega de técnica e personalização da equipe são os diferenciais. O lucro das vendas custeia reformas gratuitas a quem não pode pagar.

Cultura Hacker

Ao contrário do que muitos pensam, a cultura hacker não está necessariamente ligada à tecnologia. É um conjunto de competências que faz com que um indivíduo, ou um grupo, compreenda o problema e pense em etapas para recriar ou remodelar soluções.

“Estamos vivendo em um mundo onde todo o ecossistema empreendedor está em transformação. Por isso precisamos instruir e alfabetizar nossa comunidade para que participe ativamente deste novo processo”, diz Geraldo Barros, diretor-presidente da Casa Hacker. “A cultura hacker agrega valor a produtos e serviços que já existem, ampliando o potencial e o alcance dele para a sociedade”.

O jovem empreendedor teve a ideia de compartilhar seus conhecimentos como analista de sistemas e pesquisador de segurança e privacidade na internet no Campo Grande, bairro na periferia de Campinas (SP) onde nasceu e cresceu.

O espaço hacker começou a ser construído em 2018 e, com a ajuda de investidores, reuniu impressoras 3D, computadores, microcontroladores, fresadoras e outros recursos para atuar nas três frentes: educação, empreendedorismo e defesa política do acesso à informação. Com oficinas, workshops e cursos gratuitos promove a autonomia para que um acesso mais igualitário da comunidade à informação e inovação.

Economia Criativa

Os negócios criativos são marcados pela atuação em rede e transformam uma vocação, uma habilidade artística ou até um hobby em um meio de vida. A economia criativa reúne todas as formas de expressão e conteúdo em torno da indústria cultural.

Segundo o portal da Secretaria Especial de Cultura, com dados da Federação das Indústrias do Rio de Janeiros (FIRJAN) e do IBGE, as atividades culturais e criativas são 2,64% do PIB e responsáveis por mais de 1 milhão de empregos formais diretos.

Iniciativas como a Feira Preta, que atua há quase duas décadas para fortalecer e mapear o afro-empreendedorismo, representam o impacto social gerado pelo segmento. Ao mobilizar empreendedores e artistas negros, o festival funciona como um espaço para potencializar e ressignificar o olhar para a população negra.

“Essa geração de jovens de 17 anos já vem preta e com outras demandas. Como se preparar para ela? Não sei se chegamos ao modelo ideal, mas estamos experimentando, uma vez que grande parte do nosso público é formado por jovens”, disse Adriana Barbosa, fundadora do projeto ao site da Fundação Telefônica Vivo.

O festival, considerado a maior feira de cultura negra da América Latina, é anual e conta com palestras, exposições, performances artísticas, gastronomia, cinema, literatura, espaço infantil, master classes, mentoria, lab de inovação e espaço maker.

Empreenda fora da caixa com o Pense Grande Digital!

Alinhado ao conceito de aprimorar habilidades e promover soluções criativas e colaborativas, o aplicativo Pense Grande Digital oferece aos jovens uma formação com percurso gamificado para apoiar a construção de repertório em empreendedorismo social.

Os participantes ainda tem a oportunidade de interagir com outros jovens com competências diferentes e complementares às suas, mas com o mesmo desejo de mudar a realidade ao seu redor.

Para acessar a formação online, basta fazer o download gratuitamente do aplicativo no smartphone e se cadastrar para iniciar as atividades.

E tem mais! Os clientes Vivo poderão acessar o app do Pense Grande Digital sem consumir o plano de dados, seja ele pós ou pré-pago. Lembrando que, independentemente da operadora, o conteúdo e o download do aplicativo são gratuitos!

Baixe grátis o app do Pense Grande Digital, disponível em  Android ou iOS e faça parte desta jornada empreendedora!



 

Notícias relacionadas

Frame do jogo Illis
19 de junho de 2020

Estudantes desenvolvem jogo para alertar sobre feminicídio

Texto Alternativo Imagem mostra vários papeis coloridos amassados acima de um fundo branco e um deles, simula uma lâmpada
3 de junho de 2020

Empreendedorismo criativo: se jogue nessa ideia!

Imagem mostra um desenho feito de giz em uma lousa, do perfil de um rosto com símbolos de setas e pontos de interrogação
19 de maio de 2020

4 maneiras de aprimorar e desenvolver as soft skills