alt marcas
2 de janeiro de 2018

Conheça o Beta, Malalai e outras iniciativas feitas por mulheres, para mulheres.   

Nunca se discutiu tanto equidade de gêneros e de direitos. O número de mulheres empreendedoras vem crescendo cada vez mais levando até a ONU a criar uma data especial: o dia mundial do empreendedorismo feminino, comemorado em 19 de novembro.

As mulheres hoje empreendem mais que homens no Brasil: estão por trás de 51,5% dos novos negócios, mostra uma pesquisa do Sebrae de 2016. Mais do que garantir serviços personalizados, o empreendedorismo feminino gera renda e possibilita o empoderamento de outras mulheres. Abaixo você confere histórias de iniciativas feitas por e para as mulheres:

Serviços nas redes

M’Ana – Mulher conserta para Mulher: Duas jovens de 26 anos se uniram para oferecer serviços de manutenção residencial. Foi em 2015 que a dupla se conheceu, quando Ana Luisa Monteiro começou a fazer consertos para complementar a renda – ela viu essa necessidade após ser assediada dentro de casa por um entregador de gás. A arquiteta Katherine Cristine Pavvloski conheceu o serviço por um folheto e virou sócia do empreendimento, que hoje tem quatro funcionárias e já atendeu mais de 2 mil mulheres, que em geral pedem o serviço via redes sociais.

Beta:  Beta é um robô feminista que utiliza a programação para responder todo tipo de dúvida relacionada ao universo feminino via Messenger, o chat do Facebook. Um exemplo foi o debate sobre a PEC 181, que criava novas restrições ao aborto. “Tivemos mais de 1500 pessoas falando com o chatbot por minuto e mais de 10.000 e-mails foram enviados para os deputados”, conta Mariana Ribeiro, uma das criadoras da plataforma. Atualmente, as curtidas na página superam as 19 mil e mais de 45.000 pessoas já falaram com a Beta.

Tecnologia a favor da mobilidade para mulheres

Lady Driver: O assédio dentro serviços de transporte por aplicativo levou ao surgimento do Lady Driver, app que conecta motoristas e passageiras mulheres. Formada em nutrição, Gabriela Correa decidiu criar o app após uma experiência negativa com empresas de transporte.

Hoje, já são 11 mil motoristas cadastradas em São Paulo, Guarulhos e Rio de Janeiro. Ao todo, 150 mil passageiras já foram atendidas. Independência financeira e quebra de preconceitos estão entre as conquistas, diz a fundadora.

Malalai:  aplicativo que ajuda mulheres a escolherem caminhos seguros na rua, com informações como iluminação, presença de lojas e portarias. Também avisa a uma pessoa indicada pela usuária sobre a sua localização de forma automática. O nome é uma homenagem a Malala Yousafzai, jovem paquistanesa que ganhou o Nobel da Paz em 2014.

Empreendedorismo materno

Maternativa: a rede para mães empreendedoras nasceu no Facebook em junho de 2015 e, desde então, tornou um espaço de inteligência coletiva sobre mercado de trabalho e empreendedorismo materno. Hoje, contribui com mais de 20 mil mães por meio de encontros e trocas, além de uma plataforma de marketplace.



 

Notícias relacionadas

Imagem mostra o empreendedor Celso Athayde. Ele veste camisa branca e paletó preto
16 de novembro de 2018

Celso Athayde: da sobrevivência à transformação social

Na imagem, um homem e uma mulher usando roupas sociais estão sentados lado a lado em uma mesa de escritório. Eles usam aplicativos para gerenciar negócios em um smartphone.
16 de novembro de 2018

10 aplicativos para gerenciar seu empreendimento

A psicóloga Maitê Lourenço sorri para foto. Ela é negra, tem os cabelos curtos, usa óculos de grau e uma blusa com estampa de flores.
12 de novembro de 2018

Os desafios e oportunidades do afroempreendedorismo no Brasil