alt marcas
8 de janeiro de 2019

Conheça o Social Brasilis e o Librol, duas iniciativas que terão suas histórias contadas no documentário Pense Grande.Doc, uma parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura.

Aos nove anos de idade, a garota Emanuelly Oliveira, resolveu em ajudar famílias e crianças subnutridas na cidade Quixadá-CE, localizada no semiárido sertão cearense. Tendo sua mãe como grande inspiração, ela começou a organizar visitas e doações de cestas básicas para sua comunidade.

A iniciativa foi se desenvolvendo na adolescência até culminar na primeira configuração do que viria a ser seu negócio social. O objetivo era ir além do assistencialismo, deixando um legado a partir da educação e integração da cultura local. Hoje, Emanuelly Oliveira é educadora da rede pública do estado do Ceará e fundadora do projeto Social Brasilis. Aos 31 anos, ela tornou-se um exemplo para outros jovens de como ser um empreendedor social.

Depois de ter participado do programa Geração Muda Mundo da organização Ashoka, aos 18 anos, a jovem foi cursar Letras na Universidade Federal do Ceará e quis aprofundar sua experiência com a educação. Foi como professora da rede pública que ela descobriu a porta de entrada para o empreendedorismo.

A jovem conta que foi através dos conhecimentos adquiridos no Social Good Lab e no ano seguinte, quando resolveu inscrever o projeto no Programa Pense Grande e participou da incubação durante 10 meses, que o projeto se desenvolveu. “A história do SB se divide em antes e depois do Pense Grande. Eu acredito que se não tivéssemos passado pelo programa, a gente não teria esse nível de maturidade que temos enquanto negócio e equipe”, afirma a empreendedora.

Atualmente, o Social Brasilis desenvolve programas educacionais que prepararam as pessoas para novas abordagens no mercado de trabalho e na comunidade, através de uma plataforma digital personalizada.

Na imagem, Emanuelly Oliveira do Social Brasilis fala em um microfone durante apresentação.

“As pessoas realizavam ações interessantes nas periferias e não tinham acesso à tecnologia e às redes sociais para divulgar o trabalho que faziam. Ninguém de fato conhecia o que o bairro tinha para oferecer” afirma Emanuelly Oliveira.

Traduzindo realidades

Foi a partir da observação da realidade de sua comunidade no interior da Bahia, que Raíra de Carvalho (22) também encontrou motivação para empreender. Em 2013, aos 16 anos, a jovem de Vitória da Conquista e então estudante do curso técnico de Informática no Instituto Federal da Bahia, interessou-se em saber mais sobre o processo desgastante de aprendizagem de um colega de classe com deficiência auditiva.

Ele não conseguia ler a prova e responder sem o auxílio da tradutora. Quando ela não estava, ele ficava completamente perdido, pois o português que ele traduz através das Libras é muito diferente do usado pelo professor em sala de aula”, conta a jovem que, incomodada com essa lacuna, procurou a tradutora do colega para entender o processo.

Com a ajuda de mais dois outros colegas e um professor, nasceu o protótipo do Librol. Utilizando textos trabalhados dentro da sala de aula, os jovens encontraram padrões na maneira de traduzir a linguagem de Libras para o português, como os verbos sempre no infinitivo, ausência de conjunções a e simplificação de conceitos.

A princípio, a ideia era diminuir a evasão escolar de pessoas com deficiência auditiva, tornando o ambiente mais inclusivo e o acesso à informação igualitário a partir da instalação de um software nos computadores da escola. Criar um empreendimento social não estava nos planos; o grupo se separou e Raíra só retomou o projeto em 2015, quando notou a repercussão da iniciativa.

 

Aprendendo a empreender

Mas afinal, o que é ser um empreendedor social? Para os jovens fundadores de duas iniciativas de impacto, inclusão é palavra chave. Além de ser um negócio bem sucedido, para o Social Brasilis e o Librol, a motivação, a observação e o compartilhamento são indicadores mais representativos em uma trajetória marcada pelo desenvolvimento social.

Na imagem jovem  do projeto Librol fala para uma câmera durante gravação do documentário Pense Grande.Doc

Em 2018, mais de 3200 pessoas foram impactadas diretamente pelo Librol e 31 mil pessoas consumiram o conteúdo orgânico indiretamente.

Raíra só teve seu primeiro contato com esse universo no ano de 2015, quando apresentou a ideia na Campus Party e foi premiada. Desde então, juntou-se com colegas da universidade, André Ivo (20) e Jennifer Brito (23), para somar conhecimentos ao projeto, desenvolvendo um software adaptável aos sistemas operacionais mais diversos, funcionando em formato de aplicativo gratuitamente.

Já Emanuelly não se enxergava como empreendedora social e tampouco seu projeto como negócios. “O Social Brasilis de hoje é uma releitura do que seria o projeto que pensei na adolescência e representa um amadurecimento”, conclui a educadora.

Quer saber mais? A trajetória empreendedora das iniciativas serão contadas no Pense Grande.Doc. O documentário é resultado de uma parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura com o objetivo de estimular a produção audiovisual de jovens talentos brasileiros. Os episódios sobre o Social Brasilis e o Librol vão ao ar, respectivamente, nos dias 10 e 24 de janeiro, às 22h15. Acompanhe!



 

Notícias relacionadas

18 de março de 2019

Empreendedores criam negócios sociais a partir de suas experiências de vida

Grupo de jovens do Programa Pense Grande Incubação posa, para a foto
11 de março de 2019

10 motivos essenciais pra você inscrever a sua ideia de negócio no Pense Grande Incubação

Na imagem professores estão sentando em volta de uma mesa participando de uma dinâmica que envolve uso de objetos como elásticos, papéis e bexigas.
1 de março de 2019

Formação de professores fortalece a cultura empreendedora