alt marcas
20 de julho de 2018

Ex-Pense Grande, Maickson Serrão acredita no empreendedorismo para transformar a vida de quem vive nas comunidades das margens do Rio Tapajós, no Pará

Noventa quilômetros e dez horas de barco separam Vila de Boim, no Pará, da cidade de Santarém, o centro comercial mais próximo. Localizada na margem esquerda do Rio Tapajós, a comunidade tem apenas três horas de energia por dia, das 19h30 às 22h30, e abriga cerca de dois mil moradores que vivem da pesca e da agricultura e têm em comum a vontade de constituir família e ter um trabalho de subsistência.

No entanto, para Maickson dos Santos Serrão, de 26 anos, a vida deve ter opções de caminhos a serem seguidos. “Eu quero que os jovens tenham oportunidades de escolha. Se quiserem trabalhar e constituir família cedo, tudo bem, mas que saibam que podem sonhar e correr atrás do que desejam”, diz, com a firmeza de quem sabe o que está falando.

Apesar da pouca idade, Maickson já é um exemplo para a juventude ribeirinha. A vida do garoto tímido de fala mansa começou a se transformar aos 14 anos, quando começou a se envolver com a ONG Saúde e Alegria, apoiada pela Fundação Telefônica Vivo e que atua em prol do desenvolvimento territorial, protagonismo juvenil e criação de mídias comunitárias.

Lá, Maickson aprendeu, junto com outros adolescentes, a fazer um jornal e um programa de rádio, o primeiro da comunidade, exibido para todos pelos altos falantes de um poste da região. Foi nessa época que o garoto passou a nutrir um grande sonho: ter acesso à internet.

Para isso, precisou se engajar na luta por um Telecentro, como acontecia nas comunidades mais próximas. “Eu participava de reuniões comunitárias todos os dias e dedicava quase todo o meu tempo atuando no grupo de jovens, no jornal e na rádio. As pessoas me viam como uma espécie de multiplicador”, relembra.

O Telecentro veio em 2008, com a instalação de uma antena via satélite, placas e baterias de energia solar e quatro notebooks. Mais do que a realização de um sonho, foi a primeira vez que Maickson ganhava o mundo. “O rio nos impedia de ter qualquer contato com a cidade, mas ali, com internet e redes sociais, eu tive a oportunidade de me conectar com outros lugares e outras vidas. A sensação é indescritível”.

A internet o apoiou de muitas maneiras. Ao mesmo tempo em que buscava conhecimento, promovia oficinas para compartilhar o que descobria com professores e jovens de Vila de Boim, sempre buscando melhorar o ensino da região, precário por falta de profissionais dispostos a atravessarem o rio para dar aulas.

Outros tantos sonhos

A dedicação aos estudos fez com que o jovem fosse aprovado em duas universidades públicas em educação física. Assim, em 2011, mudou-se para Santarém para começar os estudos. Três anos depois, durante a participação de uma oficina de empreendedorismo, Maickson descobriu um novo sonho para chamar de seu: ter o próprio negócio.

“Eu me encantei com esse universo que traz novos desafios todos os dias e, ao mesmo tempo, deixa livre para escolher aquilo que você realmente deseja”. E como Maickson é do tipo que arregaça as mangas, criou, junto com outro jovem ribeirinho Taissir Carvalho, a plataforma Embarcar, que fornece informações diversas sobre os transportes rodoviários da Amazônia. Os jovens foram selecionados para participar do Pense Grande Incubação.

O que é o Pense Grande Incubação?

Eixo do programa Pense Grande voltado para jovens que querem mudar sua realidade, transformando boas ideias em prática, seja com a criação de um negócio, uma iniciativa e até mesmo a manutenção de uma organização social já em funcionamento.

Durante o Pense Grande Incubação, são oferecidos encontros presenciais e assessoria com representantes, além de capacitações, bate-papo com empreendedores, orientações de mentores e apoio financeiro.

O processo seletivo é feito anualmente e busca fomentar a resolução de necessidades da comunidade utilizando a tecnologia digital.

Saiba mais em pensegrande.org.br/participe

Na imagem, o jovem empreendedor Maickson Serrão posa sorrindo

“O processo que eu vivi ali no Embarcar foi um dos momentos mais marcantes da minha vida. Colocar a mão na massa, correr atrás para fazer acontecer seu próprio negócio passou a ser meu projeto de vida. É isso que eu vou fazer”, declara o jovem, que acabou se mudando para Manaus e saindo da empresa para se dedicar a novos desafios.

Recentemente, entrou para o ProLíder, um programa criado pelo Instituto Four para apoiar lideranças jovens dispostas a discutir e mudar o atual cenário brasileiro. Uma de suas tarefas é criar um novo negócio até novembro. Ele ainda não sabe bem o que fazer, mas tem certeza de que será algo pela sua comunidade.  “Eu quero ser uma referência para aquela juventude ribeirinha, deixar um legado para o lugar de onde eu vim e eu devo isso ao meu povo”, diz, com convicção.

Enquanto trabalha para desenhar um negócio, Maickson passa os dias cursando jornalismo em uma faculdade de Manaus, outro de seus sonhos realizados. “Eu nem sei se vou exercer a profissão, mas conhecimento nunca é demais, não é? ”. Logo, ele garante, vai alcançar outro objetivo: ser fluente em inglês. E, assim, de conquista em conquista, o jovem segue sua luta.

Quando perguntado sobre a maior lição que pode deixar para outros jovens, ele usa a palavra acreditar. “Eu acho que todo mundo tem competências empreendedoras e de liderança dentro de si. Em algumas pessoas elas só são mais estimuladas. Por isso, se você quer alguma coisa, acredite que é possível e corra atrás”.