alt marcas

Sempre buscando inovar, programa traz novidades na estrutura da 5º edição e se estabelece como uma referência em diversidade de projetos

31 de julho de 2019

Apoiar jovens de periferia a transformarem suas ideias em negócios sociais. Esta é a razão de ser do Pense Grande Incubação, que iniciou no dia 1º de julho a 5º edição do programa, trazendo novidades em sua estrutura que vão da ampliação de empreendimentos e criação de nova fase até formações e assessorias ao longo do processo seletivo.

Pela primeira vez, desde 2015, o Pense Grande Incubação contará com empreendedores de todas as regiões do Brasil. Além disso, em vez de incubar 15 empreendimentos de impacto social, o programa fará a incubação de 30 projetos. A iniciativa da Fundação Telefônica Vivo, em parceria com a Aliança Empreendedora, expandiu o processo seletivo, incluindo também uma nova fase: a pré-incubação.

“Até o ano passado a gente tinha o processo dividido em duas fases, atuando em algumas cidades específicas”, explica Marina Egg, consultora da Aliança Empreendedora. “Mas nesta edição, abrimos o programa para todas as capitais do Brasil e suas regiões metropolitanas. Essa diversidade regional é muito rica para o processo, porque a gente trabalha com a troca entre os empreendedores, parte fundamental do desenvolvimento dos projetos.”

Desenvolvimento desde a seleção

Além de diversidade garantida, o programa também buscou adequar o processo seletivo à uma lógica de desenvolvimento, oferecendo desafios e assessoria especializada antes mesmo de a incubação começar. A primeira fase contou com 248 inscrições válidas, que levaram em consideração os seguintes critérios: inovação, motivação e competências empreendedoras.

Após a avaliação da proposta, 140 empreendimentos foram selecionados para a segunda fase, na qual os empreendedores passaram por capacitações e tiveram quatro desafios para resolver. Com base nos resultados, 40 projetos passaram para a nova fase de pré-incubação, que organizou encontros regionais, palestras, assessorias especializadas, tudo para ajudá-los a pensar em um protótipo para seus negócios.

O resultado destes exercícios levou à seleção de 30 incubados que começaram a trilha de desenvolvimento no dia 1º de julho. Dentre eles, 16 projetos são liderados por mulheres e são localizados em 18 cidades diferentes, distribuídas em 12 estados.

Os números do Pense Grande Incubação 1ª fase Inscrições válidas recebidas: 248 Critérios: inovação, motivação e competências empreendedoras 2ª fase Empreendimentos selecionados para segunda fase: 140 Projetos passaram por capacitações e resolveram 4 desafios Fase Pré-Incubação Selecionados: 40 Participaram de encontros regionais, palestras e assessorias especializadas para a construção de protótipos para os negócios Seleção final: Incubados: 30 16 liderados por mulheres 18 cidades diferentes em 12 estados

Conheça cinco empreendimentos que participarão da 5º edição do Pense Grande Incubação:

NORTE

Imagem mostra rapaz de camiseta branca sorrindo para a câmera.

MadTech

A experiência de Melquisedec Corrêa, de 24 anos, como voluntário nas regiões periféricas de Belém (PA), abriram seus olhos para os desafios locais. Já na faculdade, entrou em contato com ONGs e projetos sociais que trabalhavam com catadores de materiais recicláveis. “Lá pude ver o baixo rendimento que eles têm na atividade de “catação”, além de toda a questão da poluição residual. Belém, por exemplo, vivia uma crise do lixo e não tinha uma solução eficaz”, explica o jovem empreendedor.

Pensando na realidade daquela comunidade, ele decidiu unir empreendedorismo, ação social e a graduação em engenharia para criar a MadTech, uma empresa que se dedica a transformar resíduos plásticos e agroindustriais em novos produtos. A proposta é desenvolver uma madeira biossintética, feita a partir do plástico reciclável e fibras do caroço de açaí, para produção de móveis ecológicos e exclusivos.

Como é participar do Pense Grande Incubação?

“Minha experiência com o Pense Grande foi, e está sendo, a melhor possível! Vi os depoimentos de quem já tinha participado do programa e compreendi o compromisso e a seriedade no desenvolvimento de startups. Na hora tive a certeza de que a MadTech precisava estar lá, e conseguimos!”.

NORDESTE

Imagem mostra jovem de óculos usando vestido colorido

Grana Preta

Inspirando-se na família, que sempre apostou nos negócios próprios para complementar a renda, Amanda Aguiar teve a oportunidade de desenvolver a veia empreendedora desde cedo. Nascida em Salvador (BA), a jovem de 26 anos aprendeu a aliar impacto social e comunicação por meio das iniciativas que participou durante sua formação. A ideia de gerar conteúdos sobre finanças para jovens negros surgiu algum tempo depois, pela inquietude com relação à situação socioeconômica do país.

“Eu não queria apenas reclamar dos problemas, queria poder apresentar soluções que pudessem ajudar a garantir certo tipo de conforto e segurança financeira”, conta a empreendedora. “Então, o Grana Preta surge como uma ferramenta para as pessoas resolverem seus problemas econômicos de forma mais autônoma, sem depender de soluções políticas”. Os conteúdos de educação financeira e empreendedorismo serão disponibilizados por meio de ferramentas como o Instagram e Google Classroom, junto da venda de cursos digitais de educadores negros, funcionando como um marketplace.

Como é participar do Pense Grande Incubação? 

-“Todos os desafios e a validação da minha ideia foram novos para mim. O passo-a-passo serviu para eu me entender enquanto empreendedora. Não sabia o quanto esse processo de autoconhecimento seria fundamental para mim! E por isso já sou muito grata ao Pense Grande!”.

CENTRO-OESTE

Imagem mostra jovem usando capacete branco. Ela sorri para a câmera e usa camisa branca.
Deu Obra

“O Mundo sem Pobreza” de Muhammad Yunus, foi a porta de entrada de Melania Pires para descobrir o mundo dos negócios sociais. Formada em Engenharia Civil e voluntária em ações sociais, a jovem descobriu três coisas: a rotina das grandes construtoras não se encaixava em seu perfil, o empreendedorismo era um caminho possível e, em Goiânia (GO), a taxa de desempregados no ramo da construção civil tinha se tornado assustadoramente alta.

Foi aí que surgiu o Deu Obra, empreendimento que promove a construção de edificações pequenas e de baixo custo, investindo o lucro obtido na capacitação de desempregados da construção civil. A ideia é absorver estes profissionais para as obras realizadas, e propor parcerias a outras construtoras para que ofereçam oportunidades a eles. “Percebi que podia conectar a minha profissão a algo que transformasse a vida das pessoas”.

Como é participar do Pense Grande Incubação?

“A incubação do Pense Grande faz você compreender melhor o seu negócio, te dá mais maturidade. As fases do programa e os profissionais são excelentes! Existe todo um cuidado e uma conexão com os projetos envolvidos. Eu me sinto privilegiada por estar entre eles!”.

SUL

Imagem mostra rapaz de camisa xadrez e avental azul por cima

Cooltivando

Descendente de índigenas guaranis, Lucas Felippe se orgulha de dizer que seu instinto o levou para o caminho certo. Sempre adorou brincar ao ar livre, trabalhar com a terra, cuidar de plantas, e tudo que envolvia a agricultura. Por morar em Parque Guarani, região periférica de Joinville (SC), ele se viu sem incentivo e oportunidade de trabalhar nesta área. Anos mais tarde, buscando encontrar seu lugar no mundo, o jovem mudou para Curitiba (PR) e decidiu cursar Agronomia.

Percebeu que todo o mercado era voltado para uma lógica de devastação ambiental, agronegócio e transgenia, com a qual não concordava. Pensando nisso, buscou se aproximar da agricultura orgânica e aprender com a realidade de famílias de agricultores locais. Depois de apresentar uma tese como conclusão de curso, estruturou um sistema de consultoria de dados para pequenos agricultores “O modelo de negócios do Cooltivando é pensado para o desenvolvimento sustentável e empoderamento do pequeno agricultor”, diz Lucas.

Como é participar do Pense Grande Incubação?

“Passar já na primeira fase foi muito significativo para mim, pois eu acreditei que o que eu queria fazer não era loucura, era possível! É mais do que o investimento tecnológico, é chance de ampliar o impacto da rede que tenho. Ser amparado e valorizado pelo Pense Grande está trazendo um aprendizado muito grande como empreendedor e como pessoa”.

SUDESTE

Jornada Exponencial

A psicóloga organizacional Anna Paula Sampaio, de 28 anos, e a sócia, Renata Machado, de 36 anos, já trabalham com empreendedorismo há cerca de dois anos. Juntas fundaram a Ludo Thinking uma empresa que desenvolve treinamento personalizado utilizando jogos de tabuleiro, digitais e realidade aumentada. Notando que os serviços estavam muito voltados para grandes empresas de Vila Velha (ES), decidiram apostar em um público que estivesse entrando agora no mercado de trabalho.

“O Jornada Exponencial nasceu da necessidade de causar impacto social positivo”, explica a psicóloga. “Começamos a pensar em produtos mais acessíveis, que pudessem ensinar sobre liderança exponencial e comportamento esperado para pequenos empreendedores, estagiários e trainees”. O jogo de tabuleiro já existe, e foi todo pensado para estar conectado com um aplicativo que distribui missões diárias com o objetivo de salvar uma empresa. Parte do lucro já obtido pela Ludo seria revertido para disponibilizar o conteúdo gratuitamente.

Como é participar do Pense Grande Incubação?

“O nosso objetivo é que o Pense Grande nos ajude a tornar esse impacto social possível e sustentável. Nesse período de incubação, a gente já recebeu orientação e esperamos usá-la para tornar nosso produto escalável e alcançar mais gente!”