alt marcas
8 de março de 2018

No Dia Internacional da Mulher, saiba mais sobre o Planty, plataforma liderada por jovens estudantes cheias de sonhos e que acreditam muito no seu potencial.

Larissa Frazato, Julia Agustino e Thaiene Raimundo têm 17 anos e um sonho em comum. Além de compartilharem a idade e também as aulas do curso técnico de Nutrição na Etec Uirapuru, em São Paulo, as jovens querem tornar as PANCs, Plantas Alimentícias Não Convencionais, em alimentos bem mais conhecidos e presentes em nosso dia a dia.

Para isso, as estudantes desenvolveram o Planty, uma plataforma que une pequenos produtores rurais a quem quer consumir esses alimentos e ainda incentivar a plantação de hortas comunitárias.

A ideia nasceu a partir do Programa Pense Grande na Etec Uirapuru no segundo semestre de 2017. Ao longo de quatro meses, os jovens participantes desenvolveram ideias empreendedoras com alguma relação com um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU, e que, ao mesmo tempo, buscasse soluções para suas comunidades e entornos.

“Pudemos nos desenvolver intelectual e pessoalmente, além de assimilarmos a relevância de trabalhar em grupo e identificar que cada um possui um saber diferente do outro”, conta Julia. “Além disso, somos mulheres trabalhando juntas desenvolvendo o próprio projeto. Também aprendemos a lidar com nossas dificuldades e a confiar em nossa capacidade”, completa Larissa.

Em 2017, o Planty ficou em segundo lugar no Demoday de novembro, evento de apresentações para testar e validar os projetos dos estudantes

Desafios e oportunidades

Segundo Julia, um dos maiores desafios até o momento foi entrar em contato com os pequenos agricultores, definir a melhor forma de atendê-los e montar todo o modelo de negócio.

“É um projeto focado no cuidado com a natureza, em produtos que sejam saudáveis, sustentáveis e, ao mesmo tempo, saborosos. Como forma de garantir essa ideia, o Planty criou um serviço de assinaturas para expandir os recursos e os incentivos enviando aos assinantes caixas personalizadas com as plantas, sementes, produtos derivados e até utensílios para quem deseja realizar o plantio.

Apesar do site oficial do projeto ainda não está ar, as encomendas podem ser feitas pelo e-mail projetoplanty@gmail.com. “Temos muitas ideias para expandir o projeto e começaremos a divulgar nosso trabalho com workshops e rodas de conversa. Uma das propostas é possibilitar o plantio de hortas comunitárias nas periferias”, diz Larissa.

Com um longo caminho pela frente, as três estudantes trilham essa jornada com energia e confiança, mostrando a importância de ter recursos investidos no desenvolvimento pessoal, e principalmente os horizontes ampliados em relação às perspectivas para o futuro.

E para jovens empreendedoras como Larissa, Julia e Thaiene que pensam em por em prática seus planos de negócio, as meninas do Planty têm um recado especial: “Não pensem duas vezes! É um processo engrandecedor e muito rico. Muitas coisas são trabalhadas ao criar seu próprio negócio, inclusive sua maneira de lidar com você mesma e de acreditar no seu trabalho!”.

As PANCs são espécies que muitas vezes desconhecemos, mas podem incrementar a alimentação com nutrientes essenciais. Além disso, podem ser fáceis de encontrar até mesmo nas grandes cidades. No entanto, identificar o que é comestível ou não e atentar para as condições de produção é fundamental. Para saber mais como identificar uma PANC, clique aqui

.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas

3 de maio de 2018

Aplicativo criado por estudantes facilita busca por pessoas desaparecidas

25 de abril de 2018

Metodologia Pense Grande passa a fazer parte da grade curricular de instituições públicas

17 de abril de 2018

Estudantes de ETECs mostram criatividade em oficinas