alt marcas

Dinâmica realizada nas oficinas do Pense Grande por todo país mobilizou mais de 30 mil jovens em 2017

Imagine um jogo de tabuleiro em que não há vencedores. Divididos em equipes, os participantes precisam resolver desafios do cotidiano em temas como trabalho, lazer e sala de aula, utilizando os recursos que têm nas mãos e as competências de um personagem pré-estabelecido.

Essa é a proposta do jogo “Se Vira”, uma dinâmica que mistura conceitos de RPG com situações da vida real e que fez sucesso durante as oficinas do Programa Pense Grande realizadas em 2017.

A oficina Pense Grande foi criada com o objetivo de despertar o conceito de empreender na vida de jovens de diferentes contextos sociais e territórios brasileiros, incentivando-os a pensarem soluções de impacto social em suas vidas ou de suas comunidades.

“A metodologia gamificada, seguida de uma roda de conversa, funcionou tanto para quem nunca teve contato com empreendedorismo social, quanto para quem já era engajado em alguma iniciativa”, diz Kelly Lima, colaboradora do Instituto Crescer, parceiro executor do programa.

As oficinas do Pense Grande transitaram por diversos públicos, como jovens do ensino médio e técnico profissionalizante, universitários, e até participantes fora do público usual do Programa, como alunos do Educação de Jovens e Adultos (EJA) e até a tripulação de um barco que leva informação e tecnologia para as comunidades ribeirinhas do Pará.

Metodologia multiplicada

A metodologia do jogo “Se Vira” é uma criação conjunta de jovens empreendedores que participaram de outras edições do Pense Grande com o Imagina Coletivo e acompanhamento do Instituto Crescer.

Para aplicar a dinâmica em diversas regiões do país, foram selecionados 36 multiplicadores com experiências variadas, como a jovem Emanuelly de Oliveira, fundadora do Projeto Social Brasilis e participante do Pense Grande Incubação.

“Eu sempre começava as oficinas contando um pouco da minha trajetória de vida e participação no programa. Acho que trazer uma história real e a experiência de alguém que viveu o processo na íntegra ajudou os jovens a entenderem que o empreendedorismo é possível a todos”, observa.

Confira os depoimentos de participantes das oficinas de diferentes regiões do país:

 

Colocar as ideias em prática e refletir sobre o quanto somos capazes, foram alguns pontos de destaque do encontro. O interessante foi saber que as ideias não podem ficar apenas em nossas mentes, temos que realizá-las

Alex Santos, jovem participante da oficina no Rio de Janeiro

 

Foi muito rico para os nossos alunos perceberem que existe a possibilidade de uma continuidade do projeto de vida após os estudos e jogo despertou neles essa atitude empreendedora

Marisa de Freitas, Supervisora Educação de Integral da Secretaria Municipal de Educação de Juiz de Fora – MG)

 

Como espectadora da oficina foi muito positivo observar o envolvimento e o nível de amadurecimento dos alunos pelas decisões tomadas em grupo. Aos enfrentar as situações da dinâmica, eles puderam exercer competências do século XXI como proatividade e raciocínio lógico

Sandra Passos, Diretora da Escola Estadual Presidente Médici de Naviraí- MS

 

Realizar a oficina do Pense Grande pela primeira vez na Feira de Tecnologia foi uma experiência muito produtiva e inovadora para o público participante do evento”.

Vinicius Moreira, Diretor Técnico da Fundação Parque Tecnológico de Campina Grande – PB

 

As oficinas do Pense Grande tiveram tudo a ver com o propósito da nossa iniciativa e nos permitiram pensar fora da caixa, integrando pessoas de diferentes classes sociais em torno de um mesmo objetivo

Kamila Brito, Fundadora do Barco Hacker – Pará

janeiro 18th, 2018

Posted In: Notícias, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Fundo Zona Leste Sustentável aposta em microempreendedores e oferece condições amigáveis de financiamento

Com uma população de mais de três milhões de habitantes, pouco menos que a população do Uruguai, a Zona Leste de São Paulo abriga um dos maiores grupos de trabalhadores da cidade, que muitas vezes sofrem com a falta de emprego e também com a distância, muitas horas do dia se deslocando para os empregos no centro da cidade.

Mas apesar de sua complexidade e diversos distritos com elevados índices de pobreza, a Zona Leste têm muito a ensinar. Abriga diversos projetos que surgem das adversidades, impulsionados por poucos recursos e muita criatividade. E para dar força a essas iniciativas, o Fundo Zona Leste Sustentável (FZLS), aceleradora criada em 2010 pela Fundação Tide Setúbal, financia ideias de microempreendedores, oferecendo empréstimos condizentes com a realidade financeira da região.

“Temos na Zona Leste um alto índice de desemprego. Mas temos também incríveis mobilizações acontecendo, como hortas comunitárias, cooperativas de feira e projetos de meio-ambiente”, relata Greta Salvi, coordenadora do Fundo. Segundo ela, o objetivo é fortalecer o comércio local, com um olhar especial para o pequeno empresário: do vendedor de tapioca às mulheres que abrem buffets para festas em casa.

O valor a ser emprestado pelo fundo varia de acordo com a necessidade de cada projeto e não pode ser usado para pagar salários, apenas para possibilitar melhorias estruturais no negócio, como compra de equipamentos.  A maior vantagem é que os empreendedores têm seis meses de carência e pagam o valor em 36 vezes, com flexibilidade maior do que em empréstimos convencionais.

Depois de cinco anos apoiando projetos pequenos e de ganho pessoal, o fundo agora está se transformando. O último edital, realizado em 2016, escolheu cinco mulheres empreendedoras para investir, apostando em negócios com impacto social no território. Além de verba, as escolhidas receberam capacitação oferecida pelo Senac.

Um exemplo é a Feira Afro Meninas Mahin, idealizada por Géssica Cardoso. Foi identificando uma carência local que a empreendedora teve a ideia de criação de seu negócio. “Itaquera é um lugar que não tem ocupação cultural específica para o público negro”, explica. Com mais de 30 edições desde 2016, a feira é focada na produção de empreendedoras afro-brasileiras.

Para 2018, o Fundo Zona Leste Sustentável tem como intenção voltar ainda mais suas iniciativas para os negócios periféricos, apostando principalmente na capacitação do público jovem. “O adolescente que mora dentro de periferias muitas vezes não conhece o seu próprio potencial. Não sabe como suas ideias podem virar um modelo de negócio. Queremos ir até ele e ajudá-lo a construir essa autoestima, incentivando o comércio local na Zona Leste”, finaliza Greta.

janeiro 11th, 2018

Posted In: Notícias, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Conheça o Beta, Malalai e outras iniciativas feitas por mulheres, para mulheres.   

Nunca se discutiu tanto equidade de gêneros e de direitos. O número de mulheres empreendedoras vem crescendo cada vez mais levando até a ONU a criar uma data especial: o dia mundial do empreendedorismo feminino, comemorado em 19 de novembro.

As mulheres hoje empreendem mais que homens no Brasil: estão por trás de 51,5% dos novos negócios, mostra uma pesquisa do Sebrae de 2016. Mais do que garantir serviços personalizados, o empreendedorismo feminino gera renda e possibilita o empoderamento de outras mulheres. Abaixo você confere histórias de iniciativas feitas por e para as mulheres:

Serviços nas redes

M’Ana – Mulher conserta para Mulher: Duas jovens de 26 anos se uniram para oferecer serviços de manutenção residencial. Foi em 2015 que a dupla se conheceu, quando Ana Luisa Monteiro começou a fazer consertos para complementar a renda – ela viu essa necessidade após ser assediada dentro de casa por um entregador de gás. A arquiteta Katherine Cristine Pavvloski conheceu o serviço por um folheto e virou sócia do empreendimento, que hoje tem quatro funcionárias e já atendeu mais de 2 mil mulheres, que em geral pedem o serviço via redes sociais.

Beta:  Beta é um robô feminista que utiliza a programação para responder todo tipo de dúvida relacionada ao universo feminino via Messenger, o chat do Facebook. Um exemplo foi o debate sobre a PEC 181, que criava novas restrições ao aborto. “Tivemos mais de 1500 pessoas falando com o chatbot por minuto e mais de 10.000 e-mails foram enviados para os deputados”, conta Mariana Ribeiro, uma das criadoras da plataforma. Atualmente, as curtidas na página superam as 19 mil e mais de 45.000 pessoas já falaram com a Beta.

Tecnologia a favor da mobilidade para mulheres

Lady Driver: O assédio dentro serviços de transporte por aplicativo levou ao surgimento do Lady Driver, app que conecta motoristas e passageiras mulheres. Formada em nutrição, Gabriela Correa decidiu criar o app após uma experiência negativa com empresas de transporte.

Hoje, já são 11 mil motoristas cadastradas em São Paulo, Guarulhos e Rio de Janeiro. Ao todo, 150 mil passageiras já foram atendidas. Independência financeira e quebra de preconceitos estão entre as conquistas, diz a fundadora.

Malalai:  aplicativo que ajuda mulheres a escolherem caminhos seguros na rua, com informações como iluminação, presença de lojas e portarias. Também avisa a uma pessoa indicada pela usuária sobre a sua localização de forma automática. O nome é uma homenagem a Malala Yousafzai, jovem paquistanesa que ganhou o Nobel da Paz em 2014.

Empreendedorismo materno

Maternativa: a rede para mães empreendedoras nasceu no Facebook em junho de 2015 e, desde então, tornou um espaço de inteligência coletiva sobre mercado de trabalho e empreendedorismo materno. Hoje, contribui com mais de 20 mil mães por meio de encontros e trocas, além de uma plataforma de marketplace.

janeiro 2nd, 2018

Posted In: Notícias, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Focado em desenvolvimento de negócios de impacto, Guia 2.5 tem participação do Programa Pense Grande

O Guia 2.5 para desenvolvimento de negócios de impacto, elaborado em outubro de 2015 pelo Instituto Quintessa, ganhou uma nova versão em 2017. Agora é possível visualizar o perfil detalhado de 34 iniciativas de organizações dedicadas a apoiar empreendimentos de impacto social em diversas etapas e áreas. O interessado pode fazer um teste online para verificar qual organização mais se adequa ao seu perfil.

A edição de 2017 foi lançada no último dia 13 de dezembro, no Unibes Cultural, em São Paulo, para um público de empreendedores e representantes das organizações que fazem parte do Guia 2.5, como a Fundação Telefônica Vivo.  A instituição foi uma das convidadas para participar do projeto por meio do Programa Pense Grande, iniciativa que apoia empreendimentos sociais de jovens em diversas regiões do país.

Pense Grande Incubação

Na fase Incubação do Pense Grande, jovens de 18 a 29 anos podem inscrever suas ideias ou iniciativas já em andamento voltadas para soluções de impacto social. Ao serem selecionados, os jovens recebem assessorias online e presenciais exclusivas, orientações com mentores e apoio financeiro em uma etapa que tem 10 meses de duração. Conheça todos os benefícios do Pense Grande Incubação.

A diretora executiva do Instituto Cidadania Empresarial, Célia Cruz, patrocinador do Guia, destacou a importância da entrada de novos atores na publicação para estimular os negócios de impacto e o trabalho das incubadoras e aceleradoras neste processo.

“Queremos criar um ecossistema estruturado que fortaleça os intermediários, para que os empreendedores façam melhor o seu trabalho. É preciso que o Guia seja um movimento que nos ajude a resolver problemas sociais e mensurar impactos em uma linguagem única”, disse.

A nova edição do Guia 2.5 estará disponível em breve no site http://www.guiadoisemeio.com.br.

dezembro 22nd, 2017

Posted In: Notícias, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Participantes do Pense Grande mostraram suas ideias de impacto social no demoday

O que 700 jovens de São Paulo têm em comum? Desde Cidade Tiradentes, na Zona Leste, ou Pirituba, Zona Oeste, estas centenas de adolescentes participam do Programa Pense Grande, da Fundação Telefônica Vivo, e podem enxergar para seu futuro um novo caminho, repleto de protagonismo e iniciativa por meio do empreendedorismo social.

No dia 25 de novembro, 17 grupos de jovens do Pense Grande, estudantes de ETECs (Escolas Técnicas Estaduais do Estado de São Paulo) de diferentes regiões da cidade, puderam testar e validar seus projetos de impacto social desenvolvidos ao longo de quatro meses.

Eles participaram do chamado DemodayDemoday é a junção de duas palavras em inglês, que em português significam dia da demonstração – em que apresentaram suas iniciativas em pitches.

A maioria dos grupos desenvolveu projetos que tangenciam alguns dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, como é o caso do projeto Planty, criado por um grupo de três alunas da ETEC Uirapuru. A iniciativa investiga as PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais) e cria caixas personalizadas por assinatura com geleias e outros produtos orgânicos. O dinheiro da venda é usado na criação de hortas comunitárias dentro de periferias.

Outro projeto é o aplicativo Empaixão, criado por Marcos Silveira da ETEC Pirituba. A ferramenta é um app de mapeamento de espaços seguros para populações sujeitas à violência.

Ao fim das 17 apresentações, as equipes da Fundação Telefônica Vivo e do Impact Hub, parceiro executor do projeto, distribuíram as premiações nas seguintes categorias: melhor uso de tecnologia; melhor integração com a comunidade; e melhor atitude empreendedora.

“Se existe qualquer possibilidade de construir um Brasil mais justo, é com esses jovens do Pense Grande. São protagonistas do amanhã”, disse Odair Barros, gerente de planejamento e finanças da Fundação Telefônica Vivo.

Confira os projetos vencedores:

dezembro 22nd, 2017

Posted In: Notícias, Destaque

Tags:

Leave a Comment

A Wayra, iniciativa ligada ao Telefónica Open Future, programa de inovação e apoio ao empreendedorismo do Grupo Telefònica, está com inscrições abertas para processo seletivo de investimento e desenvolvimento de startups que atuam com tecnologia em segmentos como Cloud, Segurança, Internet das Coisas, Big Data, entre outros.

Se a sua empresa já está na ativa criando soluções inovadoras, mas precisa de uma força e novas oportunidades, esta pode ser a sua chance de alavancar sua idea e seu negócio. Os empreendedores têm até o dia 4 de dezembro para se inscrever por meio do  link: http://bit.ly/call_wayrabr2017.

Um comitê especial analisará cada iniciativa, seus produtos ou serviços, além do modelo de negócio e a equipe ou sócios responsáveis pelo projeto.

As startups selecionadas receberão, a partir do início de 2018, investimento de pelo menos U$ 50 mil, além de outros US$ 50 mil em serviços como acesso a infraestrutura completa, mentoria, treinamentos, e consultorias por 12 meses. Além de tudo isso, passam a fazer parte de uma rede com mais de 700 startups de 17 países.

“Nosso programa de desenvolvimento e tração tem a vantagem de facilitar o acesso das startups a um ecossistema mundial de inovação, a investidores e à própria Vivo, que busca no Open Future soluções para melhorar seus processos e oferecer produtos e serviços disruptivos a seus clientes”, explica Renato Valente, country manager da Telefónica Open Future e Wayra Brasil.

dezembro 5th, 2017

Posted In: Notícias, Destaque

Tags:

Leave a Comment