alt marcas

Conheça o MovaNos e o Biricutico, dois projetos que fazem a diferença na vida de muitos jovens da periferia no Rio de Janeiro e em Brasília

A arte e o desejo de que todos possam ter acesso à educação e à cultura motivaram a criação dos projetos Movanos e Biricutico, que serão apresentados em fevereiro no Pense Grande.Doc, série de documentários feita em parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura.

Ativismo criativo e empreendedorismo andam de mãos dadas no Movanos, criado pelos cariocas Hudson Batista, de 26 anos, e Lu Fortunato, 37 anos, na Vila Vintém, periferia do Rio de Janeiro.

No formato de uma casa de cultura, o espaço funciona como um movimento de arte e cultura, que utiliza a linguagem do teatro para fazer a diferença na vida de muitos jovens.

A ideia saiu do papel em 2015 e desde então permeia temáticas étnico-raciais até assuntos como empreendedorismo e pedagogia. “Falávamos sobre diversos tipos de preconceito, focando principalmente na questão racial”, complementa Hudson. Logo, os amigos perceberam era preciso pensar em algo maior para o futuro.

 

Apoio para expansão do projeto

Na imagem, jovens do projeto Movanos fazem uma dinâmica

 

Em 2016, a Movanos passou por um período de incubação no Pense Grande – programa da Fundação Telefônica Vivo voltado para jovens interessados em ampliar suas possibilidades de futuro, a partir do desenvolvimento de empreendimentos sociais.

Assim, a iniciativa encontrou outro objetivo: levar conscientização para dentro da sala de aula por meio de peças teatrais e atuar pela consolidação da Lei 10.639, que estimula o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na rede pública.

Hoje atua com estudantes do Ensino Médio de escolas públicas e privadas da zona oeste do Rio, utilizando uma metodologia chamada Jornada teatro-corpo.

 

Está aberto o edital de inscrição para a incubação do programa Pense Grande. Se você é jovem e tem uma ideia para empreender, um negócio social e iniciativa já em funcionamento, que busca resolver alguma necessidade de sua comunidade e utiliza tecnologia digital, essa é uma ótima oportunidade! Saiba mais e inscreva-se!

São 90 horas de formação no contraturno, período para atividades extras na escola, nas quais os alunos têm contato com jogos, discussões importantes e técnicas de atuação, respiração e meditação. Ao final do curso, produzem peças de teatro.

“Para nós foi muito importante esse processo de incubação do Pense Grande. Foi um ano em que fomos acarinhados. As metodologias, o tratamento com as nossas ideias e nossos negócios foi fundamental. Deram uma diretriz. Foi um divisor de águas na forma de empreender”, comenta Hudson Batista.

O grande desafio é fazer com que as pessoas deem valor ao trabalho realizado. “Empreender nunca é fácil, são muitos altos e baixos. Temas como o nosso são mais difíceis de obter resultados tangíveis, porque trabalhamos com a formação de pessoas“, pondera Hudson.

Biricutico na “veia”

Jovens integrantes do projeto Biricutico posam para foto

 

Os jovens João Carlos e Matheus Santana começaram a idealizar a Biricutico no final de 2017, em Taguatinga, cidade satélite do Distrito Federal.

“O Biricutico surge de uma urgência. Na periferia, muita gente não tem acesso a algumas coisas que para outras pessoas chegam de forma natural. Sempre tive essa necessidade e não fazia porque não existia esse espaço”, comenta Matheus.

Com a missão de levar conhecimento, empoderamento e emancipação para quem mora fora do centro, a dupla começou a promover ações e a criar eventos junto com quem é da periferia.

Passaram a produzir conteúdo e levar cursos e eventos culturais para diversas regiões periféricas, de modo a dar oportunidade de aprendizado, troca e desenvolvimento de competências a jovens de áreas afastadas do centro de Brasília.

O espaço de atuação do Biricutico é o Beco Underground, um galpão cedido por um patrocinador. Nos dois primeiros meses de operação, foram promovidas aulas de inglês e capoeira e um evento que reuniu batalhas de rap com poesia.

 

Quer saber mais sobre cada um desses projetos? Assista ao Pense Grande.Doc, que vai ao ar todas as quintas-feiras pelo Canal Futura e podem ser acessados pelo Youtube da Fundação Telefônica Vivo.

Confira as datas de exibição de cada episódio em fevereiro:

07/02 – Empreende Aí

14/02 – Movanos

21/02 – Biricutico

28/02 – Instituto Alinha

fevereiro 15th, 2019

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Na imagem, três jovens negros conversam sentados em volta de uma mesa. O rapaz do centro está com um notebook virado para ele.

Em bate-papo, a jovem mestranda e pesquisadora, Taís Oliveira, fala sobre oportunidades e afroempreendedorismo no Brasil.

Quando via de perto o esforço de sua mãe, envolvida em diferentes atividades para complementar a renda da família, Taís Oliveira, nascida no bairro Parque Santos Dumont, periferia de Guarulhos (SP), nem imaginava, mas estava dando seus primeiros passos rumo ao que mais tarde seria seu objeto de trabalho e até o tema de sua dissertação de Mestrado: o afroempreendedorismo.

Participando de cursos e atividades em um projeto social na cidade em que vivia, Guarulhos, Taís decidiu fazer a faculdade de Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas. O curso lhe abriu portas para se aprofundar em temas como o empreendedorismo negro.“Não só nos dias de hoje, mas em toda a história da população negra do Brasil, o maior desafio é lidar com o racismo”, garante Taís.

Aos 28 anos, ela é pesquisadora membra do NEAB (Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros) na Universidade Federal do ABC, mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais e cofundadora do blog Versátil RP.  Recentemente, Taís esteve em Portugal para participar do evento Smart Data Sprint, que reúne investigadores e estudantes de todo o mundo interessados em trabalhar com dados e métodos digitais.

O que dizem as pesquisas

O termo afroempreendedorismo é uma modalidade de negócios voltada à valorização do empreendedor negro como investidor em potencial e grande representante do mercado de negócios. De acordo com a última pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada pelo Sebrae em 2017, as pessoas negras são a maioria dos empreendedores do Brasil e movimentam mais de R$ 1 trilhão de reais por ano na economia, segundo o Instituto Locomotiva.

Driblando o desemprego, combatendo o racismo e a falta de oportunidades, o empreendedorismo se torna uma estratégia para escapar da crise e incentivar novos empresários a crescerem nesse mercado.

Na visão da especialista

Taís Oliveira teve um de seus artigos, Redes Sociais na Internet, Narrativas e a Economia Étnica: Breve estudo sobre a Feira Cultural Preta, publicado no livro Estudando Cultura e Comunicação com Mídias Sociais, que reúne textos de professores e pesquisadores que debatem métodos, identidades, política e mercado da Comunicação. A publicação está disponível para download gratuitamente neste link.

Batemos um papo com a Taís para conhecer um pouco mais de sua trajetória e saber sua visão sobre afroempreendedorismo, o uso das redes sociais como forma de comunicação, a participação das mulheres negras nesse contexto e outros temas. Confira!

 

Como os estudos sobre afroempreendedorismo surgiram na sua vida? 

 

 A jovem Taís Oliveira posa para foto

A pesquisadora Taís Oliveira

Taís Oliveira – Desde pequena acompanhei minha mãe, que é uma mulher negra, nordestina, empregada doméstica, em atividades paralelas que ela realizava para ganhar um dinheiro extra. Naquela época não entendíamos isso como empreendedorismo. Fui mantendo essa relação muito próxima com o tema. Trabalhei em agências de comunicação e sempre ofereci aulas para movimentos sociais e pessoas que não têm muito acesso. Nesse processo, conheci a Feminaria, uma casa para mulheres empreendedoras, onde ofereci muitos cursos de planejamento e comunicação. Me aproximei de movimentos como o Afro Business, a Feira Preta e a Black Rocks, onde sou mentora e ofereci cursos. Com isso, descobri que o afroempreendedorismo tem aspectos sociais que vão além das questões técnicas. Tem muito sobre racismo, identidade, estrutura social, questionar padrões de práticas. E consegui encaixar isso em uma teoria da sociologia do trabalho que é interessante para pensar na questão do grupo étnico.

 

O que te ajudou a iniciar sua trajetória?

Taís Oliveira – Consegui galgar alguns espaços porque sempre investi em blogs, mantive minhas redes sociais sempre ativas e tudo que aprendi e aprendo, tento compartilhar de alguma forma. Mantenho minhas apresentações abertas para acesso gratuito. O grande segredo é compartilhar conteúdo de qualidade e empreender em aspectos que não necessariamente estejam ligados a ganhar dinheiro. Essa troca de informações e conhecer pessoas também são elementos importantes na carreira.

Qual a essência do termo afroempreendedorismo?

Taís Oliveira – O conceito de empreendedorismo está próximo de questões administrativas, de finanças, gerenciamento em torno de negócios, etc. Isso tudo também existe quando estamos falando de afroempreendedorismo, mas as questões sociais relacionadas a ser negro no Brasil e em outros países também está em voga quando relacionamos ao tema. Por exemplo, em eventos, sempre está prevista uma discussão sobre racismo, educação, mercado de trabalho de maneira geral. Os grupos e movimentos sobre afroempreendedorismo estão conectados a movimentos sociais debatendo política, se posicionando de uma forma mais clara e objetiva. Então, o afro vai além de questões técnicas e financeiras. Não é só promover o lucro, mas também uma reflexão importante sobre pautas sociais.

Quais os maiores desafios para os empreendedores negros?

Taís Oliveira – Não só nos dias de hoje, mas em toda a história da população negra do Brasil, o maior desafio é lidar com o racismo. E é um racismo estrutural. Parte desses empreendedores estão nessa função porque não tem um emprego formal ou porque sofreram algum tipo de preconceito em empresas. Um dos desafios, já a respeito da prática em si, é a questão do financiamento. O professor Marcelo Paixão tem uma pesquisa que fala do acesso ao microcrédito. Ele mostra como a pessoa negra que busca crédito é barrada já na porta do banco. A questão de encontrar financiamento é um problema. E sem esse dinheiro inicial, é difícil empreender, em muitos casos. A questão do racismo é bem presente nesse tópico.

O afroempreendedorismo pode ser classificado como um movimento de consumo consciente?

Taís Oliveira – Sim. Inclusive, há movimentos como “Se eu não me vejo, não me compro” ou o “Só compro do pequeno”. E isso é muito aplicado dentro do afroempreendedorismo: consumir produtos e serviços de empreendedores negros. E isso tudo tem ganhado uma proporção grande. Eles mesmo fazem um esquema de comprar entre si e garantem que não vai haver mão de obra escrava, que vão ajudar uma família negra a prosperar, por exemplo.

Como a internet e as redes sociais podem contribuir com o afroempreendedorismo?

Taís Oliveira – As redes sociais possibilitaram o encontro dessas comunidades de afroempreendedores sem a necessidade de uma proximidade geográfica. Quem está em São Paulo pode trocar ideias e consumir produtos do Vale do Dendê, de Salvador, por exemplo. E até mesmo de movimentos fora do país. Isso, na verdade, segue uma tendência. As comunidades negras sempre se encontraram, especialmente as comunidades diaspóricas, um movimento de se aglomerar desde os quilombos. E chamamos esse movimento de quilombo digital, onde nos encontramos de alguma forma para promover o bem-estar da comunidade.

Na comparação salarial, os negros continuam ganhando menos e têm escolaridade inferior aos brancos. Como você analisa esse cenário?

Taís Oliveira – Isso é resultado de um período escravocrata no Brasil e de um racismo estruturado com políticas. Os negros não tiveram acesso à educação, a ferramentas de cultura, saúde. O resultado dessa disparidade é resultado ainda de um regime escravocrata. Temos menos de 200 anos de um país livre de fato. E a questão da violência é muito presente. As pessoas negras morrem mais e estudam menos. Hoje, mesmo que esse pequeno aumento do movimento afroempreendedor tenha seu pé calcado nas políticas de ação afirmativa, tanto de educação quanto de setor público, por exemplo, o poder acaba ficando ainda com quem define os salários.

E ainda segundo pesquisas, a maioria das pessoas negras que empreendem, são mulheres. A que você credita esse cenário? 

Taís Oliveira – Isso é uma resultante ao extermínio da população negra. A fonte acaba sendo a mesma que envolve o racismo. A diferença é que o homem negro morre mais. E as mulheres precisam então chefiar as suas famílias. Em consequência disso, arranjam alternativas para ganhar dinheiro extra. Também existe uma conexão de que as mulheres negras estudam mais que os homens negros.

Você acredita que a escola pode contribuir de alguma com o estimulo ao afroempreendedorismo?

Taís Oliveira – A escola pode mobilizar os alunos de forma geral sobre o tema empreendedorismo, empreendedorismo social, inovação. O afroempreendedorismo está relacionado a Lei 10.639, que estimula o ensino de estudo da África e de questões relacionadas a raça nas escolas. A escola pode ser uma importante ferramenta para isso. Mas o cenário é bem pessimista nesse sentido. Nem o básico da lei é aplicado hoje. Para chegar no patamar de ensino seria uma questão a mais de discussão hoje em dia.

Você tem alguma dica para as pessoas negras que querem empreender e enfrentam dificuldades?

Taís Oliveira – A primeira coisa a ser feita é saber onde se quer chegar e traçar um caminho para esse objetivo. Com esse desenho bem traçado, é possível visualizar em uma pequena escala a trajetória. Isso ajuda a descomplicar. E buscar capacitação técnica. Entender em quais áreas você precisa desenvolver habilidades para compor o seu negócio: administração, marketing, por exemplo. E desenvolver uma boa rede de apoio, não só entre familiares e amigos, mas com outros empreendedores negros que já estão em um nível de satisfação com o projeto.

fevereiro 6th, 2019

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Jovens que participaram do Pense Grande Incubação 2018 posam para foto em grupo

Chegou a hora dos jovens participarem da última imersão da Incubação PG, momento de muita reflexão sobre sua jornada empreendedora. 

Entre os dias 21 a 24 de janeiro, cerca de trinta jovens empreendedores estiveram reunidos para a última imersão da Turma 2018 do Pense Grande Incubação. Juntos em São Paulo e depois em São Roque, eles trocaram experiências sobre a jornada empreendedora de cada um, além de participarem de mentorias personalizadas e rodas de conversas. A imersão marca o fim de um período de 10 meses de muita correria e mão na massa.

Logo no segundo dia de encontro, os jovens empreendedores tiveram a oportunidade de apresentar seus negócios a uma banca composta por representantes de investidoras e aceleradoras alinhadas com iniciativas de impacto social, como Creditas, Sitawi, Bemtevi, Facebook, Rede Anjos Brasil e Nesst.

Em três minutos, eles precisavam falar de seus empreendimentos, o que conseguiram realizar durante a jornada empreendedora e quais seus planos para o futuro. O momento que viria depois era ainda mais desafiador: ouvir o feedback da banca. O encontro ocorreu na Wayraaceleradora de startups do Grupo Telefônica – e foi registrado pela Feel Filmes, parceira executora da Fundação Telefônica Vivo, que irá produzir uma web série sobre esse momento da vida dos jovens empreendedores.

“É o terceiro ano que participo da imersão e é muito interessante ver que, a cada turma, os empreendimentos estão mais diversos e estruturados. Cada projeto é único, possui necessidades únicas e nossa função ali é impulsionar os negócios sociais e mostrar que o empreendedorismo é uma opção de vida possível”, considera Eduardo Pedote, sócio-diretor da Bemtevi e um dos participantes da banca avaliadora.

Ficou curioso para conhecer mais sobre os empreendimentos? Você pode conferir algumas iniciativas incubadas pelo Pense Grande e outros projetos inspiradores no Pense Grande.doc, documentário que vai ao ar todas as quinta-feiras, às 22h15, no canal Futura.

Marina Egg Batista, Diretora de Desenvolvimento Humano da Aliança Empreendedora, parceira executora do programa, avalia que tanto a jornada de dez meses, quanto a última imersão foram muito positivas para o futuro dos jovens e de seus empreendimentos.

“A terceira imersão marca o fim de um ciclo. É o último momento de olhar a trajetória dos negócios e dos próprios empreendedores. Eles tiveram a chance de ter um retorno muito importante de pessoas que não acompanharam os negócios desde o início e foi interessante ver que a banca acreditou nos empreendimentos, compartilhou contatos e, o mais importante, deu dicas de como potencializar as ideias daqui em diante”, conta.

Sob o olhar dos jovens

Para os idealizadores do Cinequebrada, um negócio que aposta em produções audiovisuais acessíveis para a construção de espaços de fala e visibilidade, a imersão serviu como reflexão sobre os dez meses de acompanhamento do Pense Grande.

“Vivemos uma semana de muita animação junto com outros jovens empreendedores. Foi um período super importante para o futuro do Cinequebrada porque nós recomeçamos o negócio quase do zero. O Pense Grande proporcionou maturidade para nós como empreendedores e, também, como pessoas, porque uma coisa não está separada da outra”, opina Wesley Xavier, um dos idealizadores do Cinequebrada.

Durante a imersão, uma das palavras mais mencionadas por eles e por quem acompanhou o processo de desenvolvimento dos negócios, foi amadurecimento.


“Atingimos nosso maior objetivo durante o Pense Grande: sair da fase de ideação do negócio para a de pré-operação. Éramos os empreendedores mais jovens da Turma 2018. Desenvolvemos e amadurecemos muito, tanto o negócio, quanto nós mesmos. Incentivamos que mais jovens participem do Pense Grande, porque é um programa para quem quer, realmente, fazer acontecer!”, acredita Carla Francischette, uma das idealizadoras da IntegraMais.

Momento de seguir em frente

Com o ciclo Pense Grande Incubação 2018 encerrado, começa outra etapa na vida dos jovens empreendedores que participaram do programa: o momento de juntar as avaliações, pensar no futuro dos empreendimentos, aproveitar a rede que construíram durante o processo e transformar os medos e receios em ação.

Em 2019, desafios como pensar a sustentabilidade financeira do negócio, testar os produtos ou serviços desenvolvidos e impactar suas comunidades estarão ainda mais presentes na vida dos jovens empreendedores.

Pense Grande Incubação 2019 vem aí: prepare-se! 

Se você também tem uma ideia de empreendimento social para desenvolver ou tirar do papel, inscreva-se para Pense Grande Incubação 2019. Mais informações estarão disponíveis, em breve, no site do Pense Grande. Fique de olho!

fevereiro 6th, 2019

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Com oficinas, metodologia, incubação de negócios e produção de conteúdo, o programa celebra mais um ano inspirando jovens a empreender. Confira algumas histórias de quem teve a vida transformada pelo Pense Grande em 2018

O ano de 2018 foi de muito trabalho para os jovens que se engajam na jornada empreendedora. Isso porque não basta ter propósito e iniciativa. Tirar uma ideia do papel exige planejamento, estudo, elaboração de metas, organização e muita mão na massa. Seja com formação ou levando inspiração, o Programa Pense Grande da Fundação Telefônica Vivo também se mobilizou para apoiar aqueles que têm o sonho de mudar a comunidade com o desenvolvimento de negócios sociais.

Foram muitas novidades. Em setembro começou o Pense Grande.doc, uma parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura que traz 26 episódios com casos inspiradores de jovens empreendedores, como Jéssica Perereira, que tem Síndrome de Down e é dona e chef do Bellatucci Café, e Anna Beserra, cridora do dispositivo Aqualuz, que utiliza raios ultravioletas para limpar água e garantir o acesso à população de Valente, na Bahia. Até março, os episódios estão sendo exibidos às quintas-feiras, 22h15, no Canal Futura, além de ficar disponível no Youtube da Fundação Telefônica Vivo.

O Pense Grande em 2018

  • 300 beneficiários;
  • 47 escolas trabalham com a metodologia Pense Grande;
  • 2 Escolas Técnicas – ETECs –  e 7 Faculdades de Tecnologia – FATECs incorporaram a metodologia no currículo escolar;
  • 34 mil jovens sensibilizados na oficina Pense Grande Se Vira;
  • Parceria com o Programa Acessa Campos, do Governo do Estado de São Paulo, e com o Programa VAITEC, da Prefeitura de São Paulo;
  • Lançamento dos conteúdos Podcast Pense Grande e Pense Grande.doc.

Em outubro, foi a vez de lançar o Pense Grande Podcast, que trouxe histórias de vida, dicas e desabafos de jovens que passaram pela jornada empreendedora. Beatriz Santos, dona do empreendimento de controle financeiro Barkus Educacional, incubado pelo Pense Grande em 2017, teve sua jornada retratada no documentário e participou de um dos episódios do podcast.

“O documentário é inspirador, tem um ar nostálgico de um exemplo a ser seguido. Já o podcast é mais prático por trazer experiências reais de como funciona empreender, com dicas direcionadas”, conta a jovem, que se consolidou como Embaixadora de Engajamento do programa. “As duas iniciativas são muito importantes para ajudar jovens empreendedores porque elas unem o que a gente mais precisa: inspiração e dicas práticas. Às vezes, na jornada empreendedora, bate uma vontade de desistir porque as coisas ficam difíceis. Ver exemplos de jovens que fazem o mesmo corre que você e pegar dicas práticas ajuda a dar aquele gás”, diz.

 

Amadurecimento dos negócios

Em 2018, 15 empreendimentos foram incubados pelo Pense Grande. Entre eles, o TecLar, uma plataforma gameficada de inclusão digital para idosos criada pela recifense Aline Omar, de 27 anos, após perceber os apuros do pai, de 77 anos, na fila do banco para pagar contas simples.

Aline Omar, do projeto TecLar e Embaixadora de Oportunidades da Rede Pense Grande, está usando óculos, blusa preta de alça e sorri para a foto.

Aline diz que a participação no programa foi fundamental para ampliar sua visão dos negócios. “Estamos na reta final da incubação e até agora o Pense Grande nos ajudou a fazer o MPV (Mínimo Produto Viável), criar estratégias, elaborar plano de negócios e de marketing, além das mentorias e do apoio financeiro para tocarmos os negócios”.

O envolvimento foi tanto que a jovem se tornou Embaixadora de Oportunidades da Rede Pense Grande, atuando na divulgação de editais para empreendedores, além de conteúdos inspiradores e informativos.

 

Questão de oportunidade

É comum ouvir de empreendedores que o melhor momento para tirar a ideia do papel é agora. Mas, para quem está resistente ou mesmo inseguro, existem algumas maneiras de simular situações que podem aparecer pelo caminho. Um exemplo é o jogo Se Vira, que mescla conceitos de RPG com situações da vida real e  é um sucesso nas oficinas do Pense Grande.

O paulistano Marcos Dias Bonfim, de 19 anos, teve contato com o jogo há alguns meses na ESPRO – Ensino Social Profissionalizante, onde estuda administração. A participação foi determinante para que ele encontrasse caminhos para profissionalizar o empreendimento que tem com o sócio, Fabio Gonçalves da Silva, de 36 anos.

Desde 2016, eles mantém o Projeto Vila em Progresso, que prevê o acesso à educação, cultura e recreação para crianças e jovens de até 24 anos da Vila Progresso, comunidade de extrema vulnerabilidade social da zona leste de São Paulo. Através de doações, ações de voluntários e recursos próprios, o espaço oferece cursos de inglês, informática, programação, empreendedorismo, direitos humanos, reforço escolar, oficinas de autoconhecimento, reciclagem, fotografia, entre outros. Já são mais de 100 crianças e jovens atendidos.

“Nossa meta é sair da informalidade e arrumar novas parcerias. O Pense Grande nos mostrou o caminho para que nosso empreendimento se tornasse mais confiável”, relata Marcos.

Fabio complementa: “A participação no programa criou um desejo ainda mais forte de dar oportunidades às crianças e jovens, para que não fiquem em situação de rua e nem que sejam aliciados pelo tráfico, prostituição e outros males que rodeiam a comunidade. Sonhamos em ver nossos jovens perseguindo seus sonhos”.

 

Escola também é lugar de empreendedorismo

A ETEC Doutora Ruth Cardoso, em São Vicente, foi uma das que incorporou a metodologia Pense Grande na grade curricular dos segundos anos do Ensino Médio, com o objetivo de ajudar estudantes a desenvolver competências empreendedoras. A iniciativa foi um sucesso, com vantagens para a escola, que fortaleceu o relacionamento com os alunos, e para o engajamento de professores e alunos.

A diretora Kelly Renata Mariano da Silva Senne lista algumas mudanças percebidas após a inclusão da metodologia. “A capacidade de organização, tanto das atividades, do material, do tempo e da divisão de tarefas, foi bem perceptível. O trabalho coletivo e o respeito entre a turma também se intensificaram. Muitos estudantes melhoram a capacidade de expressão oral”. Ela também ressalta maior engajamento com as ações voluntárias que já são tradição na ETEC, como visita a lar de idosos e creches.

A professora da ETEC Irmã Agostina e vencedora do Demoday Formação de Professores do programa Pense Grande, Renata Borges, está usando blusa azul clara de mangas curtas, cabelos compridos soltos e sorrindo para a foto.

A professora Renata Borges, que leciona Gestão de Pessoas no curso de Administração da ETEC Irmã Agostina, de São José dos Campos, observa que jovens que participam de programas que fomentam empreendedorismo e inovação desenvolvem competências que os deixam mais preparados para a vida, como dinamismo, autoconhecimento e resiliência. “O Pense Grande oferece uma escolha que vai além do que está ali disponível no mercado de trabalho”, diz.

Por acreditar no potencial do ensino de empreendedorismo, ela resolveu participar do primeiro Demoday Formação de Professores, que aconteceu em dezembro de 2018 com o objetivo de mostrar como a cultura empreendedora também serve de inspiração para novas metodologias de ensino e aprendizagem. “Fiquei muito empolgada com a possibilidade de ter acesso a conteúdos atuais e que melhorem a minha atuação docente”.

O que ela não esperava era que seu projeto ficasse em primeiro lugar, dentre os 26 participantes. A proposta do empreendimento criado por ela, batizado de Espaço Zen, era oferecer ambientes confortáveis e acolhedores para alunos por meio da reutilização, reaproveitamento e reciclagem de materiais, como pufes feitos com pneus de carros.

Segundo a educadora, duas coisas foram determinantes para sua vitória: “A dedicação às oficinas, sempre relatando no diário de bordo o aprendizado das atividades propostas, e a humildade para aprender”, diz a professora.

“A maior vantagem de participar da iniciativa foi confirmar a percepção de que posso sempre aprender com meus alunos. Essa prática empática de me colocar no lugar deles, de pensar como eles se sentem quando participam de programas como esses, o que eles são capazes de realizar foi muito importante para o meu desenvolvimento pessoal e profissional”.

Mão na massa e engajamento

Se os professores tiveram o primeiro contato com o Demoday em 2018, os estudantes estão mais do que acostumados com o evento, que marca o encerramento do Pense Grande. A 5ª edição aconteceu em novembro, celebrando a participação dos dois mil jovens formados pela metodologia ao longo do ano nas ETECs e FATECs de São Paulo.

Na ocasião, os dez melhores empreendimentos foram selecionados entre 130 projetos para disputar o 1º lugar, que foi conquistado por alunos da ETEC Albert Einstein, da região norte de São Paulo. Criado por Beatriz Adas, de 16 anos, Júlio Rubio e Milleny Saud, de 15 anos, o EcoCrie é um aplicativo que ensina a criar brinquedos a partir de materiais recicláveis. O app também propõe maior tempo de qualidade entre pais e filhos, já que disponibiliza vídeos e oficinas de conscientização e cultura maker.

“Nós aprendemos muita coisa com o projeto, mas o principal foi resolver grandes problemas a partir de pequenos atos”, conta Milleny. “Essa é uma experiência que meus colegas e eu vamos levar para toda a vida. Cada etapa do processo do Pense Grande valeu muito a pena”, conclui a jovem, que após a participação no programa, considera virar empreendedora.

janeiro 14th, 2019

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Conheça o Social Brasilis e o Librol, duas iniciativas que terão suas histórias contadas no documentário Pense Grande.Doc, uma parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura.

Aos nove anos de idade, a garota Emanuelly Oliveira, resolveu em ajudar famílias e crianças subnutridas na cidade Quixadá-CE, localizada no semiárido sertão cearense. Tendo sua mãe como grande inspiração, ela começou a organizar visitas e doações de cestas básicas para sua comunidade.

A iniciativa foi se desenvolvendo na adolescência até culminar na primeira configuração do que viria a ser seu negócio social. O objetivo era ir além do assistencialismo, deixando um legado a partir da educação e integração da cultura local. Hoje, Emanuelly Oliveira é educadora da rede pública do estado do Ceará e fundadora do projeto Social Brasilis. Aos 31 anos, ela tornou-se um exemplo para outros jovens de como ser um empreendedor social.

Depois de ter participado do programa Geração Muda Mundo da organização Ashoka, aos 18 anos, a jovem foi cursar Letras na Universidade Federal do Ceará e quis aprofundar sua experiência com a educação. Foi como professora da rede pública que ela descobriu a porta de entrada para o empreendedorismo.

A jovem conta que foi através dos conhecimentos adquiridos no Social Good Lab e no ano seguinte, quando resolveu inscrever o projeto no Programa Pense Grande e participou da incubação durante 10 meses, que o projeto se desenvolveu. “A história do SB se divide em antes e depois do Pense Grande. Eu acredito que se não tivéssemos passado pelo programa, a gente não teria esse nível de maturidade que temos enquanto negócio e equipe”, afirma a empreendedora.

Atualmente, o Social Brasilis desenvolve programas educacionais que prepararam as pessoas para novas abordagens no mercado de trabalho e na comunidade, através de uma plataforma digital personalizada.

Na imagem, Emanuelly Oliveira do Social Brasilis fala em um microfone durante apresentação.

“As pessoas realizavam ações interessantes nas periferias e não tinham acesso à tecnologia e às redes sociais para divulgar o trabalho que faziam. Ninguém de fato conhecia o que o bairro tinha para oferecer” afirma Emanuelly Oliveira.

Traduzindo realidades

Foi a partir da observação da realidade de sua comunidade no interior da Bahia, que Raíra de Carvalho (22) também encontrou motivação para empreender. Em 2013, aos 16 anos, a jovem de Vitória da Conquista e então estudante do curso técnico de Informática no Instituto Federal da Bahia, interessou-se em saber mais sobre o processo desgastante de aprendizagem de um colega de classe com deficiência auditiva.

Ele não conseguia ler a prova e responder sem o auxílio da tradutora. Quando ela não estava, ele ficava completamente perdido, pois o português que ele traduz através das Libras é muito diferente do usado pelo professor em sala de aula”, conta a jovem que, incomodada com essa lacuna, procurou a tradutora do colega para entender o processo.

Com a ajuda de mais dois outros colegas e um professor, nasceu o protótipo do Librol. Utilizando textos trabalhados dentro da sala de aula, os jovens encontraram padrões na maneira de traduzir a linguagem de Libras para o português, como os verbos sempre no infinitivo, ausência de conjunções a e simplificação de conceitos.

A princípio, a ideia era diminuir a evasão escolar de pessoas com deficiência auditiva, tornando o ambiente mais inclusivo e o acesso à informação igualitário a partir da instalação de um software nos computadores da escola. Criar um empreendimento social não estava nos planos; o grupo se separou e Raíra só retomou o projeto em 2015, quando notou a repercussão da iniciativa.

 

Aprendendo a empreender

Mas afinal, o que é ser um empreendedor social? Para os jovens fundadores de duas iniciativas de impacto, inclusão é palavra chave. Além de ser um negócio bem sucedido, para o Social Brasilis e o Librol, a motivação, a observação e o compartilhamento são indicadores mais representativos em uma trajetória marcada pelo desenvolvimento social.

Na imagem jovem  do projeto Librol fala para uma câmera durante gravação do documentário Pense Grande.Doc

Em 2018, mais de 3200 pessoas foram impactadas diretamente pelo Librol e 31 mil pessoas consumiram o conteúdo orgânico indiretamente.

Raíra só teve seu primeiro contato com esse universo no ano de 2015, quando apresentou a ideia na Campus Party e foi premiada. Desde então, juntou-se com colegas da universidade, André Ivo (20) e Jennifer Brito (23), para somar conhecimentos ao projeto, desenvolvendo um software adaptável aos sistemas operacionais mais diversos, funcionando em formato de aplicativo gratuitamente.

Já Emanuelly não se enxergava como empreendedora social e tampouco seu projeto como negócios. “O Social Brasilis de hoje é uma releitura do que seria o projeto que pensei na adolescência e representa um amadurecimento”, conclui a educadora.

Quer saber mais? A trajetória empreendedora das iniciativas serão contadas no Pense Grande.Doc. O documentário é resultado de uma parceria entre a Fundação Telefônica Vivo e o Canal Futura com o objetivo de estimular a produção audiovisual de jovens talentos brasileiros. Os episódios sobre o Social Brasilis e o Librol vão ao ar, respectivamente, nos dias 10 e 24 de janeiro, às 22h15. Acompanhe!

janeiro 8th, 2019

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Grupo de oito pessoas está reunido em torno de uma mesa discutindo projeto ligado ao Visionários da Cidade, que criou metodologia empreendedora para jovens da periferia

Conheça o projeto de Porto Alegre (RS) que estimula jovens a colocarem em prática negócios de impacto social

Um psicólogo, uma designer e um administrador de empresas uniram forças para criar um projeto voltado a jovens de periferia que desejam transformar sua realidade. Como eles fazem isso? A resposta está no apoio ao desenvolvimento de negócios de impacto social.

O Visionários da Cidade foi idealizado por Daniel Caminha, Liliane Basso e Aron Litvin em Porto Alegre (RS). O trio criou uma metodologia e um conjunto de ferramentas gratuitas para auxiliar jovens a tirar suas iniciativas do papel, fazendo com que sejam agentes de transformação de suas realidades.

Para tornar o programa possível foram articuladas parcerias entre o TransLAB – Laboratório Cidadão e a Brunel University London, com fomento do Newton Fund, por meio do British Council.

Liliane Basso conta que foi a partir do contato com diferentes perfis de jovens e educadores que surgiu a proposta de criar o programa. “Dentro do TransLAB, um laboratório de inovação social, percebíamos que entre os jovens existia uma vontade muito grande de mudar situações que os incomodavam em seus bairros e nos seus contextos de vida. Por outro lado, educadores nos procuravam para saber sobre quais ferramentas poderiam auxiliar os jovens a colocar suas ideias em prática. Diante disso, unimos as duas pontas por meio de um conjunto de atividades para desenvolvimento de projetos de impacto”, explica.

No início, o desafio do Visionários da Cidade era pensar em atividades e experiências para a transformação social, que dialogassem com a linguagem dos jovens e, ao mesmo tempo, com a dos educadores.

Quando conseguiram encontrar esse ponto de contato entre os dois universos, desenvolveram algumas de suas missões: a criação de estratégias para o enfrentamento da realidade, auxiliar os jovens na compreensão de seu contexto social de atuação e na identificação de oportunidades em seus territórios.

Conectando orientadores e transformadores

Da ideia inicial até a estruturação do negócio, todo o processo é acompanhado de perto por um facilitador ou educador voluntário, que pode ser um professor, um agente social ou uma liderança da comunidade. Sua função é, além de orientar na estruturação do projeto, ajudar os jovens a desenvolverem postura crítica e de resiliência diante dos desafios que vão surgir pelo caminho.

A atuação se assemelha a de um mentor: ao lado da turma de trabalho, a pessoa irá ajudar no desenvolvimento de cronogramas para colocar o projeto em prática, reconhecer a expectativa do grupo e, claro, aplicar a metodologia de acordo com a necessidade da turma.

É possível que o desejo de mudar a realidade surja também do próprio facilitador, que pode desenvolver um projeto e inspirar uma turma a embarcar nessa jornada com ele. Quando o grupo estiver formado, todos devem estar engajados e ter um objetivo acima de todos: causar impacto positivo na sociedade.

A atitude empreendedora para a transformação social

São três os pilares que devem nortear o caminho para o desenvolvimento dos negócios de impacto, de acordo com a metodologia Visionários da Cidade: viabilidade econômica da iniciativa, pensamento sistêmico (levar em consideração as diferentes relações que o projeto pode estabelecer) e atitude ativista (a consciência de que fazer o bem é seu papel no mundo).

Com essa perspectiva em mente, o próximo passo é seguir a metodologia, que está disponível de forma gratuita por meio da plataforma digital e do aplicativo do projeto.

Quem já encontrou soluções criativas para suas inquietações com a ajuda do Visionários da Cidade foram as idealizadoras da Mosh, um ateliê de publicidade musical destinado a artistas independentes. Ao perceberem que os músicos de Porto Alegre não tinham recursos para a criação de peças para divulgação de seus trabalhos, elas passaram a realizar a atividade de forma mais colaborativa e acessível para os artistas independentes.Os youtubers à frente do Expoente Zero também passaram pela metodologia e colocaram em prática um canal que mostra eventos culturais nas favelas da capital do Rio Grande do Sul. Jovens da periferia são capacitados para falarem sobre a realidade de onde vivem e serem protagonistas de suas histórias.

O futuro dos Visionários

Jovens sentados em cadeira formam plateia em palestra de projeto ligado ao Visionários da Cidade, que criou metodologia empreendedora para jovens da periferia

Em pouco mais de um ano de existência, mais de 50 jovens já desenvolveram seus projetos com a metodologia do programa. Os idealizadores também têm atuado em escolas de Porto Alegre, realizando a formação dos educadores para estimular seus alunos a pensar no empreendedorismo social como uma possibilidade de resolução de problemas em seus contextos de vida.

Em dezembro de 2018, Liliane Basso, que também é professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing no Rio Grande do Sul, conquistou o terceiro lugar do Prêmio Brasil Design Award, com o Visionários da Cidade, na categoria “Projetos de Impacto Positivo”.

Para os próximos anos, a ideia é que o projeto ganhe o Brasil e a América Latina. “Queremos trabalhar com instituições de ensino e de fomento ao desenvolvimento de projetos de impacto social. Ao mesmo tempo, estamos em busca de parceiros para acelerar as melhores iniciativas, além de criar um banco de investimento para esses projetos”, revela Lilian.

dezembro 26th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

O desenhista Magno Borges, as autoras Priscila Pacheco e Luana Nunes, e as jogadoras Júlia Reis, Lucivânia Silva e Andreza dos Santos estão posando como um time durante lançamento da HQ sobre futebol feminino

A publicação Minas da Várzea retrata os desafios das mulheres de Parelheiros que fazem de tudo para conseguir praticar o esporte que amam

Apita o árbitro, rola a bola. Em campo, mulheres que antes mesmo de calçarem as chuteiras precisam sair driblando diariamente barreiras que passam por preconceito da família, situações de assédio, falta de tempo e espaço para treinar, e de dinheiro para conseguir pagar pela participação em torneios. O esforço vale a pena porque é ali, no campo esburacado, na partida sem regras rígidas de organização, que essas guerreiras exercem a maior de suas paixões.

A beleza e as dificuldades do futebol feminino de várzea foram retratadas na reportagem em HQ Minas da Várzea, publicada pela Agência Mural de Jornalismo das Periferias. Para produzir o material, a jornalista Priscila Pacheco, de 30 anos, foi até o distrito de Parelheiros, extremo sul da capital paulista, em direção à aldeia indígena do povo Guarani Mbya e ao campo de terra laranja do bairro Vargem Grande, regiões onde a cultura do futebol feminino é muito forte.

Acompanhada dos desenhistas Alexandre de Maio e Magno Borges, a repórter acompanhou a performance do time Minas do Toque, que na complexidade de suas jogadoras traz histórias preciosas como a de Josiana, que jogou grávida e voltou ao campo 40 dias após o parto. Ou de Lucivânia Silva Lima, que faz faxina pesada de segunda a sexta e mesmo assim tem energia para jogar futebol em dois times, aos sábados e domingos. “Eu amo jogar, largo qualquer compromisso para estar em campo. Sou atacante, mas pego até no gol quando precisa. Só o jogo é que não pode parar”, diz.


“O futebol é fio condutor para falarmos de várias coisas, como discussão de gênero, falta de saneamento básico nas periferias e também sobre as transformações do território, de como São Paulo vai se modificando do centro às regiões mais afastadas”, conta Priscila.

 

A escolha da HQ foi a forma encontrada de instigar o debate por meio do jogo entre imagens e palavras, como explica Magno. “Nós não temos representação gráfica para a periferia. Usamos a HQ para buscar esse viés mais artístico”.

A repórter Priscila Pacheco e o desenhista Magno Borges estão sentados ao lado de jogadoras em um banco, rodeado pelo público no lançamento da HQ sobre o universo do futebol feminino.

Bate-papo de lançamento da HQ Minas da Várzea, sobre o universo do futebol feminino.

Família dentro e fora de campo

A presença de filhos das jogadoras chamou a atenção da jornalista. Enquanto as mães estavam em campo, quem esperava a vez na arquibancada pegava para si o papel de cuidar das crianças. “Pensei que elas levavam os filhos porque não tinham com quem deixar, mas a verdade é que essa é uma forma de aproveitarem o final de semana em família”, explica Priscila.

“Minha filha vai em todas, é minha torcedora mais fiel”, afirma a zagueira Andreza Ricardo dos Santos, que montou o time há dois anos – e levou um ano de muita insistência para convencer os times masculinos a darem espaço ao torneio feminino. Mais do que capitã, é uma referência em engajamento.


“Nós passamos por muitas dificuldades, por isso sempre ajudamos umas às outras, seja com dinheiro para condução ou com apoio emocional. Somos família, dentro e fora de campo”, diz Andreza.

 

Sororidade, que pode ser definida pela união entre mulheres baseada na empatia e no companheirismo, é a palavra usada pela jogadora Júlia Reis, de 20 anos, para definir a aliança que se forma entre os times femininos, sejam eles de várzea ou não.

“A gente passa por tanta coisa que não tem como a gente não ser unida. Voltar para casa de chuteira e shorts é motivo para ser assediada, nós lutamos o tempo todo para termos direitos iguais aos homens. No time, se uma sofre, todas vão sofrer. Quando o treino é de noite, ninguém dorme até a última chegar em casa e mandar mensagem dizendo estar segura”, conta ela, que prestou consultoria para a HQ.

Imagem mostra uma das páginas da HQ sobre futebol feminino. No desenho, duas jogadoras estão dando entrevista à autora Priscila Pacheco.

Um esporte invisível

Em setembro, a jogadora Marta Silva entrou para a história como a maior vencedora da Fifa. Pela sexta vez, ergueu a taça de Melhor Jogadora do Mundo. Porém, nem mesmo sua figura vitoriosa fez com que o futebol feminino ampliasse sua força no Brasil.

Como apontou uma reportagem do Globo, só a partir de 1979 que a participação das mulheres em campo passou a ser permitida pela legislação nacional. Em comparação ao masculino, o futebol feminino brasileiro tem defasagem de tempo, número de praticantes, competições, exposições na mídia e recursos.

Isso se reflete em dificuldades de todos os tipos, para qualquer categoria de futebol feminino, dos amadores aos profissionais. Horários de reserva para treino são restritos, chuteiras feitas para o sexo feminino não existem.

“Ano que vem vai começar a Copa do Mundo Feminina. Se o Brasil ganhar, vamos ser hexa ou só vale quando o time masculino ganha? Ninguém está falando disso”, questiona Júlia, ao enfatizar que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) cuida dos times masculino e feminino. “É muito importante a gente questionar essas coisas. Assim, quem sabe daqui alguns anos os times de base possam ser mais estruturados”. Enquanto isso, é jogo que segue!


Produzido através de financiamento coletivo, a HQ Minas da Várzea foi lançada oficialmente na Comic Con de São Paulo, entre os dias 6 e 9 de dezembro, e está disponível para compra em versão impressa ou virtual pelo site da Agência Mural.

Imagem mostra a capa da HQ sobre futebol feminino. No desenho, a jogadora Camila Siqueira dá entrevista à autora Priscila Pacheco.

dezembro 20th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Imagem foca as mãos de uma pessoa segurando uma armação da Preza em uma mão e as lentes do óculos em outra. A marca tenta reduzir o impacto ambiental.

A Preza investe nos conceitos de cultura maker para incentivar o consumo consciente

Em 2014, Rodrigo Cury e Martina Sable, dois estudantes universitários de Porto Alegre (RS) decidiram lançar oficialmente um modelo de óculos no qual trabalharam durante todo o ano anterior. Unindo cultura maker e sustentabilidade, a marca de óculos Preza surgiu com o ideal de colocar em circulação no mercado produtos exclusivos, feitos de madeira revisitada e minimizadores de impacto ambiental.

Com o salário de estágio e uma bolsa-auxílio de iniciação científica, os jovens passaram a investir sozinhos no maquinário necessário para a produção dos óculos. Mês a mês, economizaram para adquirir as peças, usando shapes de skates como matéria-prima para a concepção do design.

“Desenvolvíamos os óculos à mão, na cozinha de um apartamento que estava desocupado. Montamos nossa pequena oficina ali, onde produzíamos cerca de 20 óculos por mês”, conta Rodrigo, de 26 anos.

Sobre o processo inicial de produção, Rodrigo diz que não se viam como empreendedores sociais. “Na época, não nos identificávamos com a figura de alguém ligado a tecnologia e frequentador de eventos de networking. Para nós, essa pessoa não estaria em uma cozinha cheia de pó, produzindo em pequena escala”.

Mas foi justamente essa aproximação com os conceitos da cultura do “faça você mesmo“ e a preocupação com as matérias-primas utilizadas que fez da Preza um negócio social em desenvolvimento. Quando os dois sócios decidiram apresentar os produtos para os amigos e fazer um evento de lançamento na cidade, a proposta passou a chamar atenção de empresas consolidadas.

 

Parcerias colaborativas

Uma vez engajados no lançamento da marca, as oportunidades de parcerias que surgiram, tornaram-se prioridade. Os sócios fecharam negócio com uma fábrica de móveis local, a  Aristeu Pires, como fornecedora de matéria-prima. São dos resíduos industriais da marcenaria, que a Preza tira o material para produção dos óculos.

Outra parceria colaborativa foi a proposta da Enzo Milano, marca de circulação nacional, que se interessou pelos valores difundidos pela Preza. Inicialmente, a empresa solicitou uma demanda de 1.000 unidades para integrar à sua coleção. Sem a estrutura necessária para produzir em larga escala, a startup negociou 100 unidades, que foram vendidas pela Milano em menos de um mês.

Foi então que Rodrigo e Martina perceberam a necessidade de expandir os recursos e sugeriram um modelo de negócio colaborativo de co-criação e distribuição das coleções. A Enzo Milano e a Preza lançaram juntas modelos que uniram a proposta sustentável e o reconhecimento de mercado.

Atualmente, a equipe conta com 10 pessoas na produção interna, colaboradores de serviços terceirizados para a laminação e mantém a escala pequena em comparação ao segmento de mercado ótico. “Pretendemos manter essa exclusividade, fazer os óculos à mão e numerando cada novo modelo”, afirma Rodrigo.

“Queremos valorizar todos os parceiros da cadeia produtiva, utilizar resíduos que não degradam o meio ambiente e incentivar empresas locais”, resume Rodrigo Cury.

 

Impacto ambiental e social 

As preocupações com um modelo de negócio inovador e consciente não terminam por aí. A Preza já realizou ações integradas a causas socioambientais e pretende dar continuidade a essas iniciativas em 2019.

Imagem foca as mãos lixando uma armação da Preza. A marca tenta reduzir o impacto ambiental.

“O design tem o poder de desenhar produtos e colocar no mercado ideias que modifiquem a cultura material”, acredita Rodrigo. Para o empreendedor, o impacto ambiental e social estão intrinsecamente ligados. “O nosso papel é transformar socialmente o mundo a partir do consumo consciente. Essa é a razão de existir da Preza”, diz.

Em 2016, a marca lançou um kit colaborativo com o artista Xadalu. O objetivo foi reverter os lucros para ajudar a aldeia Tekoa Pindó Poty, localizada na região de Porto Alegre, no plantio de mudas de Kurupi, árvore nativa da Mata Atlântica e essencial para produzir as esculturas que movimentam a economia da aldeia.

Para o próximo ano, a Preza planeja uma ação em conjunto com a Re.Turn, empresa que trabalha com o desenvolvimento de projetos sociais na região, para levar a cultura do empreendedorismo de impacto para escolas de comunidade de vulnerabilidade social no Rio Grande do Sul.

Acessórios sustentáveis

 Idealizadora do Badu Design, Ariane Santos, posa para foto ao lado de mulheres.

Seguindo a mesma tendência de misturar design, cultura maker e economia criativa, a startup curitibana Badu Design nasceu com o propósito de reduzir o impacto ambiental por meio da produção de materiais de papelaria artesanal, acessórios, decoração e bolsas que utilizam resíduo têxtil industrial.

Além de investir em produtos sustentáveis, a iniciativa idealizada pela empreendedora Ariane Santos também oferece capacitações e compartilhamento de técnicas artesanais dentro do design.  A ideia é facilitar o processo criativo e consciente de negócios que têm a intenção de partir pelo mesmo caminho.

dezembro 14th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

6 Comments

Monique Evelle está olhando para a câmera, com os braços cruzados. Ela tem cabelos compridos trançados e está vestindo uma blusa de manga comprida vermelha.

Jovem reconhecida pela Forbes, criadora de conteúdo e idealizadora de negócios, como o Desabafo Social, faz alertas e dá referências a quem quer empreender

Eu poderia começar compartilhando todas as vezes que tentei desistir. Mas, optei por falar em possibilidades, até porque desistir não se restringe única e exclusivamente ao empreendedorismo. E, em um contexto como o nosso, precisamos de mais pessoas que sejam positivas e propositivas. Por isso, trago aqui dois cenários do empreendedorismo: o liderado por pessoas negras e o liderado por pessoas da periferia.

Diante de alguns avanços no que diz respeito a debates raciais e de gênero no Brasil, é para comemorarmos o cenário onde os negros são a maioria dos empreendedores, totalizando cerca de 11 milhões. Mas, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) realizada a partir de processamento dos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o rendimento médio de empreendedores negros e negras passou de R$ 612,00 para R$ 1.039,00 por mês, enquanto que o de brancos subiu de R$ 1.477,00 para R$ 2.019,00.

Essa conjuntura da escassez já existe e é indiscutível. Mas, se olharmos pelo ângulo da abundância, outros cenários estão sendo construídos com a emergência e a sustentabilidade de diferentes negócios liderados por pessoas negras, criando novas perspectivas e potencializando suas ações.

No setor financeiro, temos a Conta Black, a primeira fintech de propriedade de pessoas negras no Brasil, como forma de solução para os pedidos de créditos negados em bancos e inclusão social e financeira da população sem conta bancária. É uma conta digital, criada por Sérgio All e Fernanda Ribeiro, que se propõe a resolver o desafio da população sem conta bancária, consequentemente, sem educação financeira, também responsável pela desigualdade social e estagnação econômica da população negra e pobre.

Quando vamos para a área de moda, temos o Clube da Preta, a primeira fashion box exclusiva de moda afro. Em menos de um ano de operação mais de 800 produtos de afroempreendedores já foram distribuídos. A empresa funciona como clube de assinatura, onde o consumidor pode aderir a planos mensais ou anuais e receber seus produtos em casa. Cada produto é personalizado de acordo com os gostos dos clientes, identificados com pesquisa prévia. Em breve, terão espaço e estão estudando a possibilidade de gamificação a partir da tecnologia digital para os consumidores.

Se imergimos um pouco na história de vida desses empreendedores citados anteriormente, é semelhante, senão igual, à maioria das histórias de brasileiros que vivem nas periferias da Zona Leste de São Paulo, de Cajazeiras em Salvador e da Rocinha no Rio de Janeiro. É importante termos e conhecermos exemplos incríveis e concretos de pessoas que se parecem com a gente para não viciarmos o discurso da impossibilidade de fazer algo e não deixar esse pensamento nos paralisar.

Agora é o momento que você me pergunta: “Tudo bem, Monique, mas como começar a empreender e ser uma dessas referências?”.

É justo perguntar! Talvez, eu nem consiga responder uma pergunta como essa. Mas, trago alguns alertas para você que já iniciou ou quer iniciar sua jornada empreendedora.

O primeiro alerta vem da frase de Ana Fontes, da Rede Mulher Empreendedora:

“Onde vivem, o que comem as pessoas que, mesmo existindo 100 negócios iguais, criam 101, achando que o seu é super, mega diferente?”.

Muitas vezes, fazemos um esforço tão grande para criarmos algo totalmente igual ao que já existe. Já parou para pensar se você não está fazendo isso também? Você sabe por que você quer fazer o que quer fazer? Por que você quer continuar com seu projeto ou negócio? Sua ideia vale o esforço e a energia?

O segundo alerta vem do filme Regeneração, dirigido por Humberto Carrão:

“Todo mundo gosta de um bom filé, mas ninguém quer ver o boi sendo morto”.

Na verdade, essa frase é uma adaptação do que eu sempre digo:

“Nunca compare seu início com o meio de ninguém”.

Já parou para pensar que queremos sucesso a curto prazo e que não enxergamos o processo, apenas o resultado final?

Só no dicionário que a palavra sucesso vem antes de trabalho. Empreender não é simples, mas é possível. Em qualquer área de atuação das nossas vidas, teremos desafios. No empreendedorismo não é diferente.

Sabendo disso, você pode se preparar. Não se deixe enganar que empreender é só talento. Também são estudos para garantir que seu projeto ou negócio continue em pé.

Por isso, comece descobrindo ferramentas gratuitas que vão te ajudar no dia a dia do seu negócio, como o Canva.com (site de ferramentas de design gráfico), o Appear.in (plataforma on-line que permite que você faça videoconferências sem baixar nenhum programa), o PowToon (site para criar vídeos com animações profissionais), o Sebrae Canva (plataforma para desenhar seu modelo de negócio) e o Guia Bolso (aplicativo que gerencia sua vida financeira).

Aproveite para consumir conteúdos de inovação e negócios como os dois TEDx que fiz (O mito de ser feliz fazendo o que ama e O potencial inovador das periferias), ouvir podcasts como o Braincast, o Pense Grande Podcast da Fundação Telefônica Vivo, o CBN Professional e o Producast.

Ou então, siga outros empreendedores nas redes sociais para aprender e conversar com eles, como Matheus Cardoso (Moradigna), Adriana Barbosa (Feira Preta), Ana Paula Xongani (Xongani), Tony Marlon (Historiorama), Mariana Stabile (Sharp), Marco Gomes (Boo-Box), Monique Moraes (Su casa, Mi Causa), Lua Leça (LinkArt) e muitos outros.

Empreender é uma jornada. Abra mão do ego para fazer seu projeto ecoar, enxergue pessoas mais como parceiras do que como concorrentes e, principalmente, entenda que referência não é cópia e que você não terá resultados daquilo que não produz.

dezembro 13th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Zé Pimenta e Kiko Kislansky, criadores da Euzaria, um dos destaques do Pense Grande.Doc, estão usando camisetas estampadas marca.

Empresa que ajuda na recuperação do movimento de pacientes e iniciativa que financia a educação de jovens por meio da moda são destaques do documentário

O uso da tecnologia para recuperação de pacientes e o investimento de recursos da moda para a educação são missões dos projetos Neurobots e Euzaria, destaques do Pense Grande.Doc em dezembro. O documentário exibe semanalmente cases de jovens empreendedores e é fruto de parceria entre o Canal Futura e a Fundação Telefônica Vivo.

Se antes o controle da mente era considerado um superpoder restrito a filmes e quadrinhos, o desenvolvimento da ciência tornou isso possível. É nesse cenário que surge a Neurobots para ajudar pacientes a reaver os movimentos perdidos após um acidente vascular cerebral (AVC).

A ideia para o projeto surgiu a partir da experiência do estudante de engenharia mecânica, Vitor Hazin, de 26 anos, que em 2015 partiu para um intercâmbio e estudou robótica na University of Reading, na Inglaterra. O jovem entrou em contato com a tecnologia chamada Interface Cérebro-Máquina, que reproduz o controle de movimentos pelo cérebro.

“Fiquei alucinado com a ideia e resolvi tentar desenvolver algo nessa área”, conta Hazin, que criou um protótipo de braço robótico controlado pelo cérebro, alcançando boa repercussão na mídia. “Muitos pacientes entraram em contato comigo para saber mais sobre essa tecnologia. Foi quando percebi que poderia transformar um projeto de faculdade em algo de fato útil”.

De volta ao Brasil, o jovem trouxe o equipamento para Recife, sua cidade natal, e formou uma startup. Com a ajuda do colega Júlio César Dantas, de 23 anos, com quem já havia trabalhado no programa estudantil Baja Sae Brasil, pensaram o conceito e fizeram um planejamento para levar aos pacientes tratamento personalizado com a ajuda da Neurobot.

 

Expansão do projeto

Zé Pimenta e Kiko Kislansky, criadores da Euzaria, um dos destaques do Pense Grande.Doc, estão usando camisetas estampadas marca.

 

Além de Vitor e Júlio, a equipe da Neurobots conta com outras cinco pessoas para inserir a tecnologia no mercado. A startup contou com capital semente privado e também fomento público através de programas de aceleração. Isso sem contar os testes em parceria com a Universidade Federal de Pernambuco, onde realizaram uma pesquisa com 24 pacientes.

“O que mais nos incentiva é a vontade de fazer a diferença na sociedade, trazendo algo que impacte nacional e internacionalmente”, acrescenta Hazin sobre a expectativa para o ano de 2019, quando pretendem lançar o equipamento em clínicas de reabilitação. “Utilizando nosso exoesqueleto em conjunto com técnicas de reabilitação, esperamos que clínicas consigam potencializar a recuperação dos pacientes”.

O Pense Grande.Doc vai detalhar o funcionamento da tecnologia e a trajetória da Neurobots em episódio que vai ao ar dia 27/12, às 22h15, no Canal Futura. Após exibição, você pode assistir, na íntegra, pelo Youtube da Fundação Telefônica Vivo.

 

Euzaria e a moda consciente

Em dezembro, o Pense Grande.Doc mostra também uma solução viabilizada por meio da economia criativa: a marca de camisetas Euzaria reverte o lucro das camisetas para a educação de jovens da periferia.

A ideia surgiu a partir da iniciativa de Zé Pimenta, 33 anos, que cresceu na comunidade de Santo Amaro, em Salvador-BA, e expandiu fronteiras após realizar um curso de desenho em quadrinhos oferecido por uma ONG, descobrindo no design uma área de atuação.

“Quando a gente cresce em uma comunidade, ou desenvolve algo muito positivo ou encontra outros caminhos, entre aspas, mais fáceis”, conta o sócio da Euzaria. “Me envolvi com trabalhos dentro da própria ONG e o social passou a fazer sentido no meu caminho”.

Trabalhando em uma agência de publicidade conheceu Kiko Kislansky, de 27 anos, insatisfeito com modelos tradicionais de negócios. Reunindo referências de estudo no exterior e unindo esforços com o amigo, passaram a confeccionar estampas de camisetas com mensagens positivas. Daí nasceu a Euzaria, que se consolidou com o sistema de doar uma camiseta para cada venda realizada.

“As camisas são uma forma de vestir o que você acredita. Por isso as estampas trazem mensagens para o mundo, que refletem valores”, acrescenta Zé. A iniciativa se aproximou de moradores de rua e foi por meio deles que reposicionou sua atuação.

O episódio do Pense Grande.Doc do dia 13/12 vai contar a trajetória da marca, que passou a investir em educação, custeando um dia de aula de jovens do Instituto Aliança, que atua com adolescentes de 12 a 17 anos no enfrentamento à violência social.

 

Pense Grande.Doc

Quando? Quintas-feiras, às 22h15

Onde assistir?  Canal Futura e reprise no Youtube da Fundação Telefônica Vivo.

Episódios de dezembro:

06/12 – Dobra

13/12 – Euzaria

20/12 – Minerva

27/12 – Neurobots

dezembro 12th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

A imagem mostra grupo de 50 professores enfileirados durante o Demoday. Formação do Pense Grande aliou o ensino de empreendedorismo à construção de aulas

Demoday Formação de Professores – Pense Grande leva a atitude empreendedora para a prática do ensino de educadores

Como a atitude empreendedora pode contribuir para práticas pedagógicas de professores em sala de aula? Essa é a pergunta que cerca de 50 professores de Escolas Técnicas do Estado de São Paulo (ETECs) e de Faculdades de Tecnologia do Estado de São Paulo (FATECs) se propuseram a responder. A formação que alia o ensino de empreendedorismo à formação dos professores integra o programa Pense Grande.

Desde 2013, essa iniciativa da Fundação Telefônica Vivo já apoiou mais de 50 mil jovens no desenvolvimento de empreendimentos sociais. Mas, no dia 1° de dezembro, foi a vez dos professores mostrarem como a cultura empreendedora serviu de inspiração no desenvolvimento de novas metodologias para suas aulas.

O primeiro Demoday Formação de Professores – Pense Grande, ocorreu na ETEC Doutora Ruth Cardoso, em São Vicente, no litoral de São Paulo, marcou o encerramento da formação iniciada neste segundo semestre e reuniu a apresentação de projetos ou didáticas para sala de aula de professores de várias instituições.

O diálogo entre a metodologia Pense Grande e o papel do professor surgiu a partir de uma sugestão dos próprios gestores das ETECs e FATECs, como conta Mônica Mandaji, consultora do Instituto Conhecimento para Todos, parceiro executor da formação.

“Alguns alunos das instituições onde os professores trabalham já passaram pela formação do Pense Grande. Como foi um trabalho muito transformador, os diretores e coordenadores pediram para que fosse a vez dos educadores conhecerem mais de perto a atitude empreendedora. É como se agora eles pudessem estar em sintonia e falar a mesma língua. Com a formação, os professores podem desenvolver novas metodologias e uma nova mentalidade sobre a forma de ensinar”, considera Mônica.

Chegou a hora do Demoday!

No grande dia das apresentações, entre 26 projetos, 9 seguiriam para a etapa final. Nela, os professores mostraram seus objetivos em um pitch de cinco minutos, falando se os projetos já foram validados em sala de aula ou como pretendem executá-los.

Assim como no demoday dos alunos de ETECs e Fatecs, os jurados selecionaram os três melhores, de acordo com os critérios de inovação, viabilidade, uso de tecnologia (digital ou não), impacto no aprendizado, clareza na apresentação e processo de desenvolvimento.

Estudos de sistemas operacionais, desenvolvimento de competências comportamentais entre alunos de enfermagem, criação de jogos e soluções para diminuir a evasão escolar foram algumas das temáticas apresentadas.

O primeiro lugar ficou com o Espaço Zen, que busca oferecer ambientes mais confortáveis e acolhedores para os alunos por meio de reutilização, reaproveitamento e reciclagem de materiais. O objetivo é a produção de puffs feitos com pneus de carros.

Na imagem, os professores do projeto Espaço Zen estão enfileirados durante a premiação do Demoday.  A formação do Pense Grande aliou o ensino de empreendedorismo à construção de aulas.

Renata Borges, professora na ETEC Irmã Agostina e uma das criadoras do projeto vencedor, considera que a trazer o ensino de empreendedorismo para a formação dos professores transformou a prática dos educadores.

 

“Durante os quatro meses de formação do Pense Grande, entramos em contato com metodologias atuais, que podem ser aplicadas no dia a dia em sala de aula. Também tivemos certeza de que o aluno precisa ser o protagonista de seu processo de aprendizado e que isso só é possível quando os desafiamos a transformar o conhecimento em habilidade e atitude”, declara Renata.

 

Para o professor Monteiro, coordenador de projetos do Centro Paula Souza, a pluralidade de temáticas, metodologias, áreas de atuação e instituições envolvidas no Demoday dos Professores reforça que “o papel do professor no século XXI é diferente. Ele atua como um mediador entre o aluno e o conhecimento, sendo que o conteúdo precisa fazer sentido para todas as partes. Encontrar os meios para tornar os estudantes protagonistas, formando novas lideranças para o Brasil, é uma tarefa que passa pelas nossas mãos”, considera.

A imagem destaca o projeto Espaço Zen em primeiro lugar entre os premiados do Demoday de formação do Pense Grande que levou o ensino do empreendedorismo a professores.

 

Inversão de papéis

O Demoday também possibilitou que alunos formados pelo Pense Grande integrassem a banca avaliadora para selecionar os projetos finalistas.

A diretora da ETEC Doutora Ruth Cardoso, Kely Renata da Silva, considera que a metodologia Pense Grande trouxe novas formas de pensar o ensino, possibilitando maior abertura dos educadores para o uso de tecnologia em suas práticas.

“A cultura empreendedora precisa estar mais presente em sala de aula. Às vezes percebemos os alunos desenvolvendo projetos altamente inovadores e os professores precisam compartilhar desse pensamento para estarem mais próximos deles. A formação deu tão certo na ETEC que, em 2019, o tema empreendedorismo vai ser abordado no currículo, dentro da disciplina Projeto Técnico-Científico”, revela.

A imagem, professores estão sentados em grupos durante o Demoday de formação do Pense Grande que levou o ensino do empreendedorismo a professores.

O caminho para empreender

A cada mês um eixo temático da metodologia do Pense Grande foi trabalhado no ensino de empreendedorismo na formação dos professores.

A etapa “Indivíduo”, buscou refletir sobre o papel do educador, momento de ouvir receios sobre a construção de práticas de aprendizagem e de sugerir a articulação de práticas empreendedoras em sala de aula.

Num segundo encontro, o foco foi “Empreendedorismo e Tecnologia”. Por meio da cultura hacker, cultura maker e gambiarra, os educadores viram como podem ajudar os alunos a se tornarem desenvolvedores de tecnologias e não apenas consumidores.

O terceiro eixo temático trabalhado foi “Comunidade”, para estimular a reflexão sobre como problemas em suas áreas de atuação estão relacionados a desafios globais, tendo como base os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) da ONU.

O último encontro, na ETEC Doutora Ruth Cardoso, tratou do tema “Oportunidades”, com compartilhamento dos pitches pelos professores e a avaliação pelos jurados.

dezembro 4th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

Leave a Comment

Na imagem os quatro integrantes do TIPMES, que promove a saúde de idosos, estão sorrindo e posando para foto em evento.

TIPMES, desenvolvido por alunos de ETEC em Franca-SP, busca trazer mais segurança e qualidade de vida para pessoas idosas

O envelhecimento da população é uma tendência mundial e o aumento da expectativa de vida, proporcionado por fatores como a melhoria das condições de saúde de idosos, faz com que essa parcela da população desenvolva novas necessidades para levar uma vida mais longa e com maior qualidade.

Somente no Brasil, entre os anos de 2012 e 2017, o número de idosos cresceu cerca de 18%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso significa que mais de 30 milhões de brasileiros fazem parte do grupo de pessoas que estão acima dos 60 anos de idade.

Entre os idosos brasileiros, 56% são mulheres, o que significa, aproximadamente, 17 milhões de pessoas.

Já os homens compõem 44% do grupo, algo em torno de 13,3 milhões de brasileiros. Segundo dados do IBGE.

Atentos a essa demanda e orientados pelo professor Washington Souza, Pedro Paulo Mercurio, Leonardo Faleiros, Matheus Henrique Rodrigues e Paolo Ubiali, alunos do curso técnico de informática da ETEC Doutor Júlio Cardoso, em Franca-SP, criaram uma forma de auxiliar idosos em casos de emergência: o TIPMES.

E a iniciativa já foi reconhecida! Em julho, o grupo ficou no segundo lugar com o pitch apresentado no Demoday 2018 do Pense Grande, programa feito em parceria com o Impact Hub e o Centro Paula Souza (CPS). Os empreendedores foram premiados com mentoria e ganharam uma vaga para expor o projeto no TEDx Impact Hub.

 

Situação em família motivou o projeto

Além de atender a tendência mundial de envelhecimento da população, a motivação para o TIPMES veio após um episódio com um familiar de um dos idealizadores.

“Em 2017, a minha avó estava em casa, caiu e se machucou. Por sorte ela não estava sozinha e a família pôde atendê-la rapidamente, levando-a a um hospital. Mas, e se não tivesse ninguém em casa? Como teriam sido as coisas?”, indaga Pedro Paulo Mercurio.

O nome do projeto é uma sigla em inglês. A tradução é Pingente de Sistema Emergencial Portátil e, na prática, é um aparelho que constrói pontes entre pessoas idosas que estejam passando por alguma dificuldade, de saúde ou segurança, com amigos, familiares e hospitais de emergência.

A ideia central do TIPMES é melhorar a saúde de idosos, proporcionando bem-estar e contribuindo para uma vida mais livre e independente, tanto para quem usa o produto, quanto para cuidadores, amigos e familiares.

Ao utilizar um colar com o pingente desenvolvido pelos jovens, o idoso pode acionar pessoas, cadastradas previamente, para irem ao seu encontro. Para isso, basta pressionar um botão acoplado ao acessório e ter baixado em seu celular o aplicativo da TIPMES. A mensagem de emergência, contendo a localização de quem precisa de ajuda, é enviada via SMS, Whatsapp e Messenger (do Facebook).

O projeto visa dar mais liberdade e mobilidade a seus usuários. “Nossa maior contribuição para a sociedade é diminuir o tempo de socorro da pessoa idosa em caso de acidentes e, em alguns casos, diminuir possíveis sequelas decorrentes desses acontecimentos. Queremos que as pessoas se sintam mais confiantes para viverem suas vidas”, complementa Pedro Paulo Mercurio.

 

Caminho a ser trilhado

Após o período da mentoria, que se encerra ao fim do ano, os empreendedores da TIPMES já traçam planos: em fevereiro de 2019, o projeto que promove a saúde de idosos deve ser lançado para todo o Brasil, por meio de financiamento coletivo.

“A nossa expectativa é termos cerca de 100 usuários quando o lançamento for realizado. Como a plataforma da TIPMES é digital, pessoas de todo o país vão poder receber os benefícios de uma vida mais independente, confiante e, sobretudo, mais segura”, revela Leonardo Faleiros, também idealizador do empreendimento.

Outro objetivo para 2019 é expandir os cuidados da TIPMES para além do público com mais de 60 anos, focando também em pessoas que moram sozinhas ou que possuam algum tipo de deficiência, por exemplo.

novembro 30th, 2018

Posted In: Fique por Dentro, Destaque

Tags:

2 Comments

Próxima página »